Foto: Divulgação Câmara

Por Djalma Luiz Benette

Quando Rodrigo Manga, o atual presidente da Câmara de Vereadores de Sorocaba, acertou com o prefeito Crespo, com o vereador Fernando Dini e com o mais experiente vereador da Câmara de Sorocaba, Engenheiro Martinez, logo após a eleição, em dezembro de 2016, que ele seria o primeiro presidente do Legislativo desse mandato, a regra era de que o mandato teria um ano.

Em abril de 2017, após 4 meses no mandato, Manga apresentou um projeto e aprovou a extensão do mandato da Mesa Diretora de um para dois anos, sob protesto e discussão liderada por Fernando Dini, então líder do prefeito na Câmara. Dini que pelo acordo de dezembro de 2016 seria o segundo presidente da Câmara, alegou há um ano, que a extensão automática do mandato feria o princípio da moralidade em razão de Manga ser o beneficiado.

Em resposta, à época, Manga rebateu com ironia dizendo que entendia a fúria de Dini e afirmando que articulasse votos para ser presidente, sugerindo que Dini não era querido dos colegas quanto ele é.

E Manga segue querido pelos colegas. Eu conversei com ele na tarde de hoje e ele disse que já tem as 14 assinaturas necessárias para o projeto que permite a reeleição do mandato da Mesa Diretora da Câmara de Sorocaba e pretende chegar a ter 15 ou até 16 assinaturas para aprovar o projeto.

Manga lembrou que ele poderá nem estar na Câmara no final do ano, quando termina o seu mandato e seria eleita uma nova Mesa Diretora, demonstrando a confiança em sua eleição para deputado estadual, hoje ele é pré-candidato. E que a intenção de permitir a reeleição é a de corrigir um erro do projeto que fixou em dois anos o tempo de mandato da Mesa Diretora. Ele explicou que teve essa ideia do projeto ao verificar que a reeleição da Mesa Diretora em Câmaras que têm dois anos de mandato é uma realidade e citou o exemplos de Laranjal Paulista.

Manga x Crespo

Seguir na presidência do Legislativo não significa se perpetuar no poder do Legislativo, opina Manga, mas seguir um trabalho bom quando isso é reconhecido pelos colegas.

Manga explicou que o projeto não quer dizer a extensão do mandato da Mesa, como ocorreu há um ano, quando o mandato passou de um para dois anos. Agora seguirá havendo eleição, porém com a possibilidade de disputar essa presidência quem hoje é o presidente. Se acharem que fui bom presidente, os colegas podem me deixar no cargo, ou seja, me escolhem e não significa extensão de mandato, frisou Manga.

Ele enalteceu os projetos Câmara nos Bairros e a Frente de Socorro à Saúde como dois grandes projetos de seu mandato como presidente do Legislativo. Mas sua grande obra, a que colocou ele na história política de Sorocaba, sem dúvida alguma foi o de ter conduzido todo o processo de instalação, votação e cassação do prefeito Crespo.

Fica somente a dúvida sobre Manga seguir tão querido pelos colegas vereadores, se são os projetos ou a cassação. Ou outa razão, como sua simpatia, por exemplo.

Para o prefeito Crespo, em que pese estar em harmonia a relação entre o Executivo e o Legislativo, fica um sabor de derrota nessa nova vitória de Manga, uma vez que ele seguirá com uma faca no pescoço, afinal quem cassou uma vez, poderá sempre cassar uma segunda em que pese a Justiça ter dito que os vereadores erraram e determinou a volta de Crespo ao cargo.