Cida Muniz

Na sessão da Câmara de Sorocaba desta quinta-feira (8) foi instalada a CEI (Comissão Especial de Inquérito) do Choque, para apurar o incidente que ocorreu no dia 3 de novembro, no PA (Pronto Atendimento) do Parque das Laranjeiras, quando a munícipe Célia Ramos foi atingida por uma arma de choque disparada por um guarda civil municipal.

A Comissão, apelidada de CEI do Choque, será presidida pelo vereador Hudson Pessini (MDB), que apresentou o requerimento solicitando que ela fosse instaurada, e terá relatoria do vereador Péricles Régis (MDB).

Célia Ramos, em uma transmissão ao vivo por uma rede social, mostrou os consultórios do PA vazios e reclamou que estava passando mal e não havia médicos. Posteriormente um médico a chama de “louca” e pede a colaboração do GCM que acaba disparando uma arma de choque contra a munícipe que vai ao chão.

Recentemente, três médicos que trabalhavam no Samu foram exonerados, após denúncia dos vereadores Vitão do Cachorrão (MDB) e Fausto Peres (Podemos), que constaram que havia apenas um médico de plantão, apesar de três constarem na escala.

A Prefeitura encaminhou o caso à Corregedoria que verificou as filmagens de 30 dias na unidade do Samu, constatando que essa era uma prática rotineira, um médico ficava trabalhando e os outros dois, apesar de marcarem ponto, abandonavam o trabalho.

A CEI deve ouvir as partes envolvidas, mas também solicitar gravações do PA em outros dias, para ver se os profissionais médicos têm atendido conforme a escala de trabalho.

CEI DA TENDA DOS MILAGRES – Já a CEI da Tenda dos Milagres, que averigua possíveis irregularidades no serviço prestado pela Cies Global, que tinha tendas e trailers instalados no Centro de Saúde do Jardim São Guilherme, também presidida pelo vereador Hudson, está na fase de auditoria.

Os membros da CEI estão tentando junto ao Judiciário, que o auditor possa tirar cópias das fichas dos pacientes para saber por quais procedimentos eles passaram, pois a empresa permite somente a consulta em sua sede em São Paulo.

Outra medida para que a CEI prossiga com os seus trabalhos, foi um projeto do próprio Pessini aprovado pela Câmara, na qual a Comissão pode ter mais tempo, no caso 45 dias, para a análise documental, não contando o prazo de 90 dias, prorrogável por mais 90, esse período para verificar os documentos.

1 Comentário

  1. Tem que corrigir os desvios! Começando com a prefeitura botando ordem e dando exemplo, não fazendo como nessa gestão, contratando comissionado c diploma falso, botar comissionado em Brasília sem trazer benefícios para a cidade, contratar empresa a peso de ouro para servir café da manhã e almoço do Sr rei da cidade.. triste realidade, mas o exemplo vem de cima!!

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.