Daniel Carvalho, FOLHAPRESS

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) registrou na tarde desta quarta-feira (8) sua candidatura à Presidência da República na eleição deste ano.

Ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o tucano declarou ser dono de um patrimônio de cerca de R$ 1,4 milhão. Em 2014, quando disputou o governo de São Paulo, havia declarado um valor R$ 11,8 mil mais baixo (já corrigido pelo IPCA).

A coligação batizada como Para Unir o Brasil é composta por PSDB, pelos partidos do chamado centrão (DEM, PP, PR, PRB e SD), além de PTB, PPS e SD.

Neste ano, Alckmin declarou ter em seu nome um prédio comercial, um apartamento, uma casa, bens imóveis que não são detalhados, duas terras nuas, três aplicações VGBL num total de R$ 480,7 mil, outros R$ 33,8 mil em depósito em contas correntes no país, bens móveis, fundo de curto prazo, quotas ou quinhões de capital e ações.

A declaração publicada em 2014 era mais detalhada e listava, por exemplo, cabeças de gado e ações da Petrobras.

Vice na chapa de Alckmin, a senadora Ana Amélia (PP) também apresentou requerimento de registro ao TSE.

Ela declarou bens no valor total de R$ 5 milhões. O valor é R$ 1,9 milhão maior que o declarado em 2014, quando ela disputou o governo do Rio Grande do Sul.

A senadora declarou cinco apartamentos, duas lojas, duas casas, terreno, terra nua, veículo, sete depósitos bancários no país, aplicações de renda fixa e VGBL, além de bens móveis.

Assim como no caso de Alckmin, a declaração de Ana Amélia é bem mais detalhada em 2014. Há por exemplo, detalhamento dos imóveis e dos bancos onde a parlamentar tem contas.

A falta de detalhamentos nas declarações deste ano se deve a uma mudança no sistema de registro de candidatura promovida pelo TSE. O tribunal retirou o item “descrição” na aba de declaração de bens. Era neste espaço em que os candidatos informavam, por exemplo modelos de veículos, endereços de imóveis e nomes de empresas de que são donos.

O PSDB informou que, feito o registro da chapa, agora aguarda o deferimento das candidaturas pela Justiça Eleitoral.