Daniel Carvalho, FOLHAPRESS

Em jantar com o ministro Gilberto Kassab (Comunicações) e deputados do PSD nesta quarta-feira (18), o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB-SP) foi instado a buscar um discurso específico para a região Nordeste, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda tem muita força.

No jantar, na casa do deputado Fábio Faria (PSD-RN) em Brasília, Alckmin ouviu de deputados nordestinos do PSD um raio-x da situação política de cada estado da região. Localmente, o partido faz alianças com o PT apenas na Bahia e em Sergipe, mas, no plano nacional, todos devem seguir a orientação da cúpula da legenda, que apoia o ex-governador de São Paulo.

Os representantes do Ceará, pediram empenho de Alckmin para fazer com que o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) aceite disputar o governo do estado.

Ministro do governo Michel Temer e presidente nacional do PSD, Kassab defendeu a unidade dos partidos de centro em torno do nome de Geraldo Alckmin. Hoje, há uma intensa pulverização de candidaturas neste campo político: MDB, DEM, PSDB, Rede e PRB, por exemplo.

“Gostaria que todos tivessem com o mesmo candidato e a minha impressão, o meu sentimento, e este é o sentimento majoritário no PSD, é que este candidato é o Alckmin. Se existe um candidato que todos acham que está mais bem preparado, por que não somar com ele? Acho o Geraldo Alckmin mais bem preparado para este momento do Brasil”, disse Kassab ao deixar o jantar, já depois da meia-noite desta quinta-feira (19).

Segundo participantes da reunião, foi repassada ao Alckmin a força de Lula na região e a necessidade de ter uma agenda específica para o Nordeste. O ex-presidente está preso no Paraná, mas o PT segue com o discurso de que a candidatura dele está mantida.

“Todos os estados registraram o peso de Lula. Mas, como Lula não é candidato, isso será minimizado. Alckmin tem um perfil conciliador que é positivo”, disse o ex-deputado Domingos Filho, pai do líder do PSD na Câmara, Domingos Neto (CE).

Quem participou do jantar relatou que foi passado ao ex-governador de São Paulo que é preciso que ele quebre a antipatia que o PSDB tem no Nordeste. O tucano anotou as sugestões dadas.

“Faltam cinco meses e meio para a eleição. O principal é que o candidato tenha um discurso para o Nordeste e que seja um discurso sincero e não demagógico”, disse Kassab.

1 Comentário

  1. Se nós, brasileiros, vivêssemos em um país democrático e não uma falsa democracia, teríamos instituições funcionando efetivamente e não um faz de conta. Nesse sentido, por tudo que a mídia divulgou nos últimos anos sobre as gestões do PSDB em São Paulo (sem perder de vista que a mídia é “muito tolerante com tucanos”), por certo esse senhor, Geraldinho, seria mais um ficha suja e não candidato a cargo eletivo. Não sendo assim, resta continuar cultivando a certeza que este não é um país sério.

Comments are closed.