Por Celso ‘Marvadão’ Ribeiro

E a praça central virou um misto de “cracolândia” com “mijolândia”

A “nhaca” tresnoitada da mistura de xixi com cocô ao sol de verão é insuportável. O problema é visível e está literalmente diante do nariz, mas só agora parece que o poder público percebeu… Demorou…

Depois que a Ipanema bateu firme nessa questão social e de saúde pública, finalmente a Prefeitura resolveu oferecer até 720 mil reais por ano para a entidade que consiga convencer moradores de rua viciados a saírem dessa vida e se tratarem, como informa O Deda Questão… Já é alguma coisa.

A polícia parece não ver grande problema na presença de quase 200 viciados, fazendo suas “necessidades” ao lado da catedral, dominando a pérgula, pedindo dinheiro e depois madrugando nas marquises dos bancos para abrirem conta na primeira hora da manhã… Irônica contradição!

Para as viaturas que ficam por ali, parece que os “nóias” não oferecem perigo nem constrangem e dificultam o ir e vir das pessoas.

Problema mesmo são as garotas de programa que fazem ponto na praça. Discretas, elas não abordam nem ameaçam ninguém e se vestem como a maioria das mulheres. Nem seriam notadas, se não ficassem sempre no mesmo lugar à espera de algum “cliente”.

O negócio é mostrar serviço fechando hoteizinhos e pousadas, na esperança de que isso consiga impedir a prostituição (as garotas não têm gigolôs…) e salvar a moral pública.

Fica a pergunta. Quanto ao uso, qual mesmo a diferença entre a atividade de uma pousada de alta rotatividade do centro da cidade e a de um motel à beira da estrada?

O que é mais perigoso: a presença dos “nóias” ou as garotas que não dormem neles, mas movimentam os hoteizinhos treme-treme.

#frogforever
#MeuMarvadãoFavorito

7 Comentários

  1. As prostitutas não incomodamd e são a único diversão de alguns senhores aposentados, agora os vicíados tem que serem tomadas providencias o mais rápido possível, não só na praça mas em toda região Central Sorocaba.

  2. Outro dia, juntamente com minha mãe, uma senhora de 84 anos, andávamos na calçada em direção ao estacionamento próximo a catedral, quando de repente, um homem fez as suas necessidades em plena luz do dia. Sem ter para onde ir naquele momento, passamos constrangidas perto desse sujeito. Se as autoridades não tomarem alguma atitude, o problema ficara incontrolável. Nunca vi essa cidade na situação em que se encontra. Aliás, a cidade tem governo?

  3. Infelizmente o Centro está abandonado. Eu vi alguma ação de limpeza na ultima semana (lavagem das calçadas, fizeram um cata dos colchões que ficam no jardim da praça , mas isso precisa ser constante e não pontual… Enfim, a unica ação efeitiva que vi acontecer no centro foi a implementaçao da zona azul…, mas mesmo assim os flanelinhas continuam fazendo a festa…

  4. kkkk senhor , moro no centro pelo menos 30 anos, e as garotas de programa sempre usam roupas bem curtas…..ao vc dizer q elas usam roupas normais como qualquer outras mulher, me parece q o autor da noticia quer ir ao favor do politicamente correto…. hipocrisia ao meu ver

  5. senhores a praça eh de todos desde os helenos(grecia antiga), parem de ser ignorantes e preconceitousos, essas pessoas merecem o minimo de respeito devido a sua condição…..a verdade eh que poucas pessoas tem inteligencia para perceber o caracter preconceituoso desta noticia….quem a apoia nao tem senso de morall nenhum…

  6. Concordo com vc Marvadão, realizar trabalhos com pessoas dependentes é longo e persistente, precisa de uma gama de pessoas específicas pra isso, que a Ass.Social do Municipio não tem.
    Só não pode ser um tal de “Pode Crer”…ridiculo …ja estive por lá e os moradores de rua não fazem nada a nao ser tomar café puro, fumar, e jogar dominó…ridiculo.
    Este município ja está em tempo de ofertar recuperação de saude e de trabalho (hortas comunitárias, marcenarias comunitárias, capinação, roçagem, e tantos outros que ajudaria os ex-viciados) além de deixar a cidade cada vez mais bonita.

Comments are closed.