Por Carlos Mattos

Marc Prensky cunhou o termo “nativos digitais” em 2001 para descrever pessoas que cresceram desde o nascimento com tecnologia digital em suas vidas. Para ser mais preciso, o estudo conduzido por Prensky estabelece os nativos digitais nasceram após 1994. Aqueles que eram mais velhos quando esta tecnologia apareceu ele chamou de “imigrantes digitais”. Meus filhos, são nativos digitais. Eu sou um imigrante, tendo adquirido meu primeiro PC aos 23 anos. Não importa quanto esforço eu faça, sempre falo geek com um sotaque.

Prensky referia-se à tecnologia digital daquela época, o que significava um PC na casa, geralmente um desktop que você tinha que sentar em um lugar particular para usar. Isso aconteceu há uma geração atrás, uma eternidade em ‘anos geek’. Todo o universo de dispositivos móveis, tablets, celulares e smartphones ainda não havia acontecido. Hoje é possível observar essa divisão clara entre nativos e imigrantes digitais.

Os jovens adultos de hoje, nativos digitais pela definição original de Prensky, adoram seus smartphones. Eles os mantêm à mão em todos os momentos, e correm para eles no menor sinal de tédio.

Contudo, mesmo nativos digitais da era PC, esses pós-millennials são imigrantes para este mundo móvel constantemente conectado. Da mesma forma que seus pais, imigrantes digitais, faziam com PCs, os imigrantes móveis de hoje estão mergulhando essa nova tecnologia em seus padrões de comportamento adulto, formados há anos. Eles não têm a impressão nativa que irá permear a próxima geração, como as crianças de 4 anos, que conseguem deslizar o dedo para um iPad antes mesmo de poder andar. O cérebro impressionável de uma criança, desenvolvido para adquirir linguagem, não pode deixar de ser esculpido por essas novas forças, em formas nunca antes vistas.

A geração que está nascendo nunca experimentará o mundo sem aprimoramento digital, nem mesmo por um minuto. Eles usarão dispositivos digitais para monitorar bebês em seus primeiros meses de vida. O menor choro no berçário acionará o Amazon Echo e a Alexa executará uma melodia para acalmá-los. Eles vão brincar de construir com blocos digitais em seus tablets, ao invés de usar blocos de madeira reais.

À medida que se tornam verbais, começarão a tentar controlar seu mundo dentro de seus parâmetros: “OK Alexa (ou Siri, ou Cortana), leia ” Os Três Porquinhos “. Então eles tentarão modificar as histórias usando parâmetros para mostrar seu poder: “OK Alexa, leia “Os Três Porquinhos, mas desta vez faça o Lobo derrubar a casa de tijolos”.

Eles usarão Google Glasses e Apple Watches e Deus sabe o que mais desde a escola maternal. Fico imaginando mesas nas escolas com os portos de energia e portas USB. Eles vão se sentir gravemente prejudicados sem seus dispositivos, como você e eu nos sentimos sem nossos óculos. Por isso, eu uso o nome de simbiontes digitais para esta geração.

Naturalmente, precisaremos de novos assistentes digitais para criar esses simbiontes digitais. No lugar de Cortana ou Siri, teremos versões digitais de Mary Poppins ou Supernanny, que serão configuráveis para coisas como horas de dormir, ou os programas de TV que o garoto tem permissão para assistir. Claro, os simbiontes, com conhecimentos técnicos superiores aos pais (algumas coisas nunca mudam), ajustará as configurações para mais permissivas e implorará ignorância quando forem pego.

Serão tempos de grandes perigos em meio as oportunidades. Nos preocupamos hoje com a Agência de Segurança Nacional (NSA) lendo nosso e-mail; começaremos a preocupar-nos com a injeção de mensagens de condicionamento subliminar (“Ame seu governo!”) nas mentes subconscientes dos simbiontes através da modulação do sinal do portador. Ou um hacker poderia usar informações recolhidas das redes sociais: “Junior, o Totó está com saudades no céu dos cachorrinhos. Ele gostaria que você lhe fizesse um agrado. Pegue a carteira do papai, pegue seu cartão Visa e me leia o número … “.

Agora nós temos uma geração que absorve informação melhor e que toma decisões mais rapidamente, são multitarefa e processam informações em paralelo; uma geração que pensa graficamente ao invés de textualmente, assume a conectividade e está acostumada a ver o mundo através das lentes dos jogos e da diversão. Nossos estudantes mudaram radicalmente e hoje, já não são a população para quem o sistema educacional foi concebido para ensinar.

“Nós nunca compreenderemos a tecnologia precisamente da mesma forma que os nativos digitais compreendem. Esta distinção é crítica na educação, porque nós estamos em uma época em que todos os nossos alunos são nativos digitais, ao passo que nossos educadores, professores, administradores e planejadores curriculares são imigrantes digitais” – Marc Prensky.

Eu posso imaginar pais comprando aplicativos que incluam seus sistemas de valores escolhidos para suas crianças simbiontes digitais. Um exemplo seria a possibilidade de configurar mensagens parametrizadas para atender diferentes religiões. A criança de 2 anos grita numa noite escura: “Você está aí, [insira a divindade de sua escolha]?”. E o aplicativo Echo responde: “Claro, Junior, sempre estarei com você!”.

Finalmente, considere isso: como serão os filhos dos simbiontes digitais? Talvez implantes digitais? E os filhos deles?

Carlos Mattos é pai, professor, escritor e palestrante, apaixonado por tecnologia. Atua na área de desenvolvimento de software para o mercado corporativo desde 1998. Nomeado pela Microsoft como MVP por 12 anos consecutivos (2003-2016) e como Microsoft Regional Director (2017-2018) em reconhecimento às suas contribuições para as comunidades técnicas e acadêmicas. Mattos é Chief Architect e Head of Technology and Innovation na GFT.