Quando se fala em relacionamento a dois, muito se fala também da famosa expectativa e há até ótimos memes na internet dizendo, crie bodes ou unicórnios, mas não crie expectativas… Realmente brasileiro é muito criativo… Kkkk…

Mas antes de entendermos o porquê a tal da expectativa é tão temida, vamos esclarecer do que se trata: segundo o dicionário, “expectativa é uma situação de quem espera a ocorrência de algo, ou sua probabilidade de ocorrência, em determinado momento”. Hmmm… Interessante… Mas como poderíamos traduzir isso para os relacionamentos?

Expectativa meus caros, nada mais é do que a mãe da m… Rsrs… Pois, criar expectativas em um relacionamento, seja ele amoroso, de amizade ou entre pais e filhos é projetar no outro a realidade que a gente acha que é a ideal. E quando achamos, é só achismo mesmo.

Não temos a mínima noção se aquilo realmente vai ser bom para nós mesmos ou não. Por isso, quando falamos especificamente de relacionamento amoroso, que é o tema principal dessa coluna, adotar essa conduta pode ser muito pouco inteligente e o que é pior, nada eficiente.

Vamos contar um causo recente para vocês: uma querida amiga e leitora assídua de nossa coluna Divs (que aliás autorizou usarmos seu exemplo aqui, rs!) passou por isso recentemente. Ela saiu com um cara duas vezes (sim, duas vezes) e ela projetou que ele era o cara ideal para ela, por terem histórias e idade parecidas, o mesmo estilo de vida, ambos são pais, etc, etc; porém, não mais do que porém, ela se “ateve” a essa verdade e simplesmente se esqueceu de ver as atitudes do cara com relação a eles.

E quais eram as atitudes dele? O que ele fez para ela se apaixonar? Pois é, absolutamente nada. Ele era bemmm na dele e não parecia querer se envolver. Pelo menos não com ela e não naquele momento. Pois é né migs, para resumirmos a história: ela se apaixonou por uma ilusão que criou dele, por acreditar que ele seria o cara certo para ela. Quando ela finalmente se deu conta que ele não era nada daquilo que ela mesma idealizou, foi bemmm mais fácil se desapaixonar e fazer a fila andar…

Esse exemplo é só para mostrar na prática como temos que ter cuidado ao conhecermos alguém. E porque é bom não criarmos expectativas. Veja alguns bons motivos:

– ao não criar a expectativa, você evita a frustração;

– quanto maior a expectativa e a construção ideológica que criamos em nossa mente a respeito de uma pessoa,  maiores são as chances de quebrar a cara no chão;

– ao não criar expectativas, você se torna mais grata(o) pelas boas surpresas que podem aparecer no meio dessa jornada de relacionamentos;

– um amor não previsto é mais intenso, pode ter certeza, do que aquele esperado e um tanto idealizado.

Há inúmeros outros bons motivos e nós, Divs, sabemos que por mais difícil que seja não criar nem uma “expectativazinha”, também somos experts em recomendar que este é um exercício diário. Tome pílulas constantes de amor próprio, se alegre em estar em primeiro lugar em sua companhia e mantenha a vibração positiva e elevada. O resto vem.

Grande beijo!

Até semana que vem,

DIVS

2 Comentários

  1. Olá!
    Adorei uma nova perspectiva a respeito de expectativas, acho muito interessante pessoas que conseguem deixar tudo fluir naturalmente não idealizando tantos os rumos da vida. Infelizmente somos tão humanos que em algumas situações é extremamente imprevisível e quando nos vemos estamos lá, cercados de expectativas. Estar tranquilo não tem preço e é um exercício diário, é realmente reconfortante quando deixamos tudo ser simplesmente como é.
    :*

  2. Bom dia, amei o texto, eu sofro muito por antecipação e em criar expectativas, e esse texto me mostrou uma nova forma de pensar a respeito ” Tome pílulas constantes de amor próprio, se alegre em estar em primeiro lugar em sua companhia e mantenha a vibração positiva e elevada. O resto vem.” obrigado pelas dicas, tenham um ótimo dia.

Comments are closed.