17/04/2017 18h59 - Atualizado em 17/04/2017 19h02 | Ipanema Online

Presidente do Secovi-SP destaca problema da MRV em encontro




Empresários da indústria imobiliária de Sorocaba estiveram reunidos nesta segunda-feira (17), a convite do diretor regional do Secovi Sorocaba, Guido Cussiol, para uma reunião-almoço da diretoria da Regional Sorocaba, no Restaurante La Doc. O presidente do Secovi-SP, Flávio Amary, que fez uma apresentação sobre os “Fatos e Tendências do Mercado Imobiliário 2017”, aproveitou a oportunidade para dizer ter “estranhado” a situação de um empreendimento da MRV no município.

A Prefeitura de Sorocaba interditou um conjunto de prédios em construção no Jardim América, na Zona Sul da cidade. A obra, que fica na rua João Wagner Wey, não estaria de acordo com as normas do Plano Diretor, segundo o Paço. Para interditar o canteiro, a Prefeitura se baseou em um parecer técnico feito pelo Centro de Apoio Operacional à Execução (CAEx), órgão vinculado ao Ministério Público (MP), que concluiu que o estudo sobre os impactos causados pelo residencial estava “insuficiente”. Por isso, foram colocadas barreiras de concreto no local.

Defesa

O secretário de Planejamento e Projetos da Prefeitura, Luiz Fioravanti, que esteve no evento representando o prefeito José Crespo (DEM), ao lado do secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Maurício Campanati, usou da palavra para defender a postura do Paço: “tivemos várias reuniões com a empresa e o empreendimento foi pensado como sendo um corredor; na realidade, aquilo não é um corredor, é uma via coletora. Sendo uma via coletora, como está demonstrado nos autos, a altura máxima seria de três andares".

Interferência

Flávio Amary também pontuou, em seu pronunciamento, o excesso de interferência do MP no setor e atacou duramente o projeto de lei de Antonio Carlos Silvano Júnior (PV), filho do ex-vereador Tonão, da exigência de cabeamento subterrâneo.