02/08/2017 16h59 - Atualizado em 02/08/2017 16h59 | Ipanema Online

Taty Polis: "assim como o povo, sou vítima"



A ex-assessora do prefeito José Crespo (DEM), Tatiane Polis, após depoimento à Comissão Processante, nesta tarde de quarta-feira (2), se disse "vítima, assim como o povo", da crise política que Sorocaba enfrenta após a desavença do democrata com a vice-prefeita Jaqueline Coutinho (PTB).

Aos jornalistas que acompanharam os depoimentos do lado de fora da sala de reunião, na Câmara de Vereadores, Tatiane, que não estava acompanhada de seu advogado, defendeu-se das acusações de que tenha praticado má-fé ao apresentar documentos de conclusão de ensino fundamental e disse que "os acusadores acusam e não provam absolutamente nada e as acusações são de má-fé". "O interesse é de desestabilizar o governo. A maior prejudicada é a população. Assim como o povo, sou vítima disso tudo. Estamos buscando manter o equilíbrio. Sofro perseguições até hoje. Meus filhos, minha família, esposo, somos acusados de má-fé", lamentou Taty.

A ex-assessora ainda aproveitou para defender Crespo da suspeita de crime contra a honra. "Não houve prevaricação do prefeito. Quem tinha as acusações, as denúncias, era a prefeita em exercício [Jaqueline à época]. O prefeito não sabia dessa suposta denúncia anônima", relatou. "A gente tá trabalhando em prol de resolver isso tudo, mas a situação é bem complicada. Não tenho nada a temer. Não existe nenhuma prova contra a minha boa-fé", finalizou.

Questionada se pensa em voltar a trabalhar na Prefeitura de Sorocaba, Tatiane disse "não saber".

Nesta quarta-feira (2), aconteceram oito oitivas sobre o caso da desavença entre o prefeito e a vice-prefeita Jaqueline Coutinho (PTB), ocorrido no gabinete do democrata, por conta de investigação do diploma de ensino fundamental da ex-assessora Tatiane Polis.