13/05/2017 08h15 - Atualizado em 12/05/2017 07h58 | Ipanema Online

Dietas? Nutrólogo dá dicas para alimentação saudável



Por Cida Haddad

De tempos em tempos, surgem notícias sobre as chamadas “dietas da moda”, entre elas o jejum intermitente e o low carb, mas quais são os benefícios e malefícios delas? 

O médico nutrólogo Paulo Góes Ribeiro comenta que a dieta do jejum intermitente é uma estratégia que envolve a restrição total ou parcial do consumo de energia (restrição que varia de 50 a 100%) em um a três dias por semana. “Estudos sugerem que, ao realizar essa restrição, ocorre uma perda de peso substancial (5-10% do peso corporal inicial), em apenas oito a 12 semanas. Entretanto, por se tratar de uma estratégia restritiva e de baixa adesão, além da falta de estudos em longo prazo comprovando a sua eficácia e seus riscos, outras abordagens alternativas vêm sendo testadas”, afirma o nutrólogo. 

Ainda de acordo com ele, as evidências científicas para os riscos e benefícios do uso do jejum intermitente são limitadas, pois os estudos não foram realizados em longo prazo e muitas vezes realizados com um número limitado de participantes. “Dessa maneira, enquanto não houver evidências científicas suficientes para respaldar o uso dessas estratégias, elas não devem ser indicadas para garantir um emagrecimento saudável”, diz. 

Sobre a dieta Low Carb, ele afirma que pode ter até 130 gramas de carboidratos/dia ou 26% do valor energético total. Já a dieta Dukan é rica em proteínas e gorduras, conforme explica.

Alimentação correta?

 A alimentação correta, segundo o nutrólogo, envolve três passos: hora correta, escolha adequada e quantidade necessária. Ele explica que os horários devem obedecer o fracionamento de três em três horas, em média, para que os níveis de glicemia se mantenham estáveis e os hormônios anabólicos e catabólicos trabalhem em harmonia, evitando transtornos metabólicos. “As escolhas devem ser as mais naturais possíveis, evitando os alimentos processados e altamente industrializados. Alimentos ricos em carboidratos, gorduras e sódio devem ter consumo moderado”, afirma.

Perigos

 Será que seguir dietas da moda causa riscos à saúde? “O maior perigo das dietas da moda é que elas não são embasadas em trabalhos científicos sérios que acompanhem um número significativo de pacientes por um tempo prolongado. Isso impede de conhecermos a longo prazo quais são os possíveis efeitos da terapia estabelecida”, diz o nutrólogo. “Essas dietas possuem caráter restritivo, expondo o organismo ao consumo não apenas de massa gorda, mas também de massa magra. Isso é indesejável, visto ser a musculatura um tecido a ser preservado”, explica Ribeiro, que complementa afirmando que  o caráter restritivo também pode gerar a fome oculta, isto é, a deficiência de nutrientes. Segundo o nutrólogo, um fator importante a ser considerado é a persistência em uma dieta restritiva. “Isso é muito difícil e as pessoas tendem a abandonar após um período de execução, retornando assim a forma anterior de alimentação e peso”, comenta.

Cada um com sua necessidade 

O nutrólogo explica que todos devem ter uma alimentação equilibrada e que cumpra o seu papel: nutrição. Para isso, a pessoa deve alimentar-se do necessário e não do extraordinário. “Uma alimentação ideal deve proporcionar a quantidade necessária de nutrientes, tanto os macro quanto os micronutrientes e ser adequada em calorias. Sem esquecer que alimentação envolve sabor, prazer e tem um forte aspecto social”, explica.  Segundo o nutrólogo, a alimentação de cada pessoa é determinada pelas suas necessidades diárias de calorias distribuídas em carboidratos, proteínas e gorduras, vitaminas, fibras e minerais. “Isso é particular, visto que se leva em consideração as atividades realizadas pela pessoa, tanto sob o ponto de vista profissional, quanto de atividade física exercida”, explica.

Comer corretamente emagrece?

 A alimentação correta não somente proporciona um emagrecimento como é que capaz de manter o peso ideal, diz Ribeiro, que afirma que, quando associada a uma atividade física adequada, proporciona uma composição corporal, bem distribuída entre os percentuais de massa gorda e massa livre de gordura. “Isso é possível, pois a oferta de nutrientes está em harmonia com o que o corpo necessita, não havendo excedentes ou deficiências. O emagrecimento saudável necessita de um comportamento pessoal voltado para esse fim, valorizando os hábitos que proporcionem esse resultado. Há a necessidade de planejar o que comer, de ser disciplinado na execução do planejado e persistente no propósito”, afirma.