08/10/2016 10h07 - Atualizado em 07/10/2016 13h57 | Ipanema Online

Crianças constroem a identidade brincando




Cida Haddad

O Dia das Crianças é comemorado na próxima quarta-feira (12) e, no meio de tanta tecnologia, uma das principais preocupações dos pais é como fazer com que os filhos não deixem o lado encantador do “ser criança”, o do brincar de maneira saudável, inclusive resgatando as brincadeiras de antigamente e não somente estando próximo a um videogame. 

A arte educadora, arte terapeuta e professora Waldorf Vânia Mello comenta que a criança aprende brincando. Ela explica que, para a criança, o brincar é coisa séria, equivale ao trabalho para o adulto. “Enquanto brinca, a criança está aprendendo a ser um ser social, aprendendo sobre seu corpo, movimento, se organiza espacialmente, desenvolve seus sentidos. Está aprendendo a entrar em situações simbólicas, estimulando sua fantasia e imaginação. No brincar a criança está construindo sua identidade, interpretando o mundo, exercitando uma variedade de estratégias de improviso e aprendendo sobre a cultura em que vive”, afirma Vânia sobre as diversas vantagens do brincar.

Aliás, as vantagens não param por ai. Vânia elenca muito mais. Segundo ela, o brincar tem a função vital e adaptativa de fomentar o pleno desenvolvimento da criança em seus múltiplos e variados aspectos. Desenvolve a concentração, o foco, perseverança, curiosidade, capacidade de tolerar frustrações, entre outros. “A visão neurocientífica diz que o brincar tem ainda uma função mais nobre, seria parte do próprio desenvolvimento humano. A rede neural se ampliaria e novas e distintas áreas do cérebro se tornariam interconectadas. Ou seja, quanto mais a criança brincar mais inteligente ela será”, diz.

Vânia pede atenção ao incentivo e colaboração dos adultos. “O adulto deve oferecer materiais e ambiente seguros, que estimule a exploração e curiosidade. Oferecer brinquedos que tragam em si temperaturas, texturas, pesos, tamanhos e formas diferentes e orgânicas, que nutram saudavelmente todos os órgãos dos sentidos”, comenta.

Brincadeiras de antigamente

As brincadeiras de antigamente possuíam uma sabedoria, diz arte educadora. De acordo com ela, brincadeiras como pular corda, amarelinha, mãe da rua, 5 marias, pular com elástico preso nos tornozelos, todas e muitas outras ajudam a desenvolver o equilíbrio, a coordenação viso-motora, a orientação espacial e temporal, a integração dos reflexos e tudo o que a criança precisa para desenvolver suas habilidades cognitivas e as funções neurais superiores. Entre as dicas para que as crianças curtam mais ainda o brincar estão: preparar um ambiente atraente, deixando materiais à disposição da criança, dando tempo para que ela possa brincar, desligando os eletrônicos, proporcionando momentos de ócio para que surja a criatividade.

Tecnologia

Na opinião de Vânia, as brincadeiras voltadas à tecnologia deveriam ser oferecidas às crianças bem mais velhas, pois quando a criança está diante de uma tela, seja ela qual for, ela está numa atitude passiva e com o tempo perde a capacidade de fantasiar, não consegue mais inventar e brincar sozinha. “Criança precisa de movimento, precisa correr, pular, subir, puxar, arrastar, precisa se sujar, experimentar diferentes materiais e não ficar parada apertando botões”, diz a arte educadora.

Brincadeiras e artes em conjunto

Questionada se é possível unir brincadeiras e artes, Vânia diz que sim. “As crianças vivem muito mais o estado da arte. Tudo é possibilidade, desde a nuvem do céu até a folha seca caída no chão. Isto significa que você não precisa de um brinquedo específico para abrir caminhos para as crianças se expressarem. A arte serve para criar a faísca”, explica.

Segundo a arte educadora, cada criança é um universo potente de expressão. Quando a criança tem espaço, oportunidade, tempo, materiais diversos para manusear e criar, seu olhar, sua argumentação e processos criativos se ampliam, gerando novos questionamentos, possibilidades e ações. Ao favorecer o desenvolvimento da sensibilidade e da percepção estética, a arte proporciona às crianças a leitura e a interpretação do mundo que as rodeia e assim, se transformem e o transformem.