05/08/2017 10h56 - Atualizado em 05/08/2017 10h58 | Ipanema Online

Conheça dona Neide, mãe da vice-prefeita, e sem dúvida alguma figura central para que o conflito entre o prefeito e a vice tenha ficado público



Por Djalma Luiz Benette

Na manhã da sexta-feira, dia 23 de junho, a vice-prefeita e o prefeito entraram em conflito (a história já é mais do que conhecida), na noite do dia seguinte, 24 de junho, a vice-prefeita se manifesta no grupo de Whattsapp dos secretários revelando sua indignação com o acontecido e, em seguida, ela é excluída do grupo de whattsapp. No domingo, dia 25, o prefeito, sua esposa, a assessora (pivô da desavença entre prefeito e vice) e seu marido foram almoçar e o prefeito postou foto desse almoço no grupo de whattsapp dizendo que se tratava de um desagravo à assessora em razão do que havia feito a vice-prefeita para a vice. No final da tarde deste mesmo domingo, claramente influenciada por esta foto de desagravo, começou a pipocar no whattsapp de centenas de sorocabanos a postagem feita no facebook pela mãe da vice-prefeita onde ela acusa o prefeito de agir com agressividade e prepotência, que deveria ser alguém de dar exemplo de agir com decoro, que o prefeito não é o dono da verdade…

A partir dai os fatos não pararam mais e se tornaram duas ações na Câmara de Vereadores (Comissão Processante e Comissão Parlamentar de Inquérito), na Polícia Civil e no Ministério Público. Boletins de ocorrência de ambos os lados e acusações mútuas não pararam desde então. Lideranças que construíram o projeto vitorisoso da eleição (Renato Amary e Campos Machado) tentam em vão colocar fim às desavenças e reaproximar Crespo e Jaqueline. E quando tudo parecia se acalmar, dona Neide volta à tona nas redes sociais. Dessa vez não usou seu facebook, mas comentou em reportagem do Jornal Ipanema, cobrando que o secretário Hudson Zuliani, que estava na sala no dia 23 de junho, aja como homem.

“Minha mãe sentiu que minha família estava sendo humilhada e ela não admite isso e se manifesta”, explica a vice-prefeita.

Mas quem é a dona Neide?

Neide Andrade Barcelos Coutinho, mãe da vice-prefeita, é bacharel em Direito formada pela Fadi (Faculdade de Direito de Sorocaba) e após anos de trabalho no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo se aposentou.

Em seu perfil público no Facebook, dona Neide se apresenta: Estou feliz, amo minha família, curto boa música e adoro assistir bons filmes, assim como, gosto muito de viajar e ler bons livros; livro preferido: O Catador de Conchas, de Rosamunde Pilcher.

Livro preferido ajuda a entender

O livro “O Catador de Conchas” é um romance de vínculos – de uma geração para a outra; dos pais que continuam vivos; e dos símbolos e legados do passado que vêm a representar o futuro. Trata da busca da identidade no espelho fragmentado de nossa infância e do confronto com a imagem embaçada pelo aflorar das lembranças do passado. O romance é repleto de pessoas reais e impregnado de valores cotidianos; os personagens de Rosamunde Pilcher poderiam ser qualquer um de nós. O leitor é convidado a partilhar da alegria, da tristeza e da magia do livro. Ambientando a ação em Londres e na Cornualha, desde a Segunda Guerra Mundial até os dias de hoje, Rosamunde Pilcher narra a história da família Keeling, e das paixões e desilusões que a mantiveram unida durante três gerações. A família gravita em torno de Penélope, e são seu amor, coragem e senso ético que determinam o curso de todas as suas vidas. Entre os bens que são mais caros a Penélope encontra-se Os catadores de conchas, que seu pai pintou e lhe deixou como lembrança e legado. É esta pintura que simboliza para ela os vínculos entre as gerações – o presente, o passado e o futuro. Mas é justamente o destino desta pintura que poderá vir a desagregar a família… Escrevendo com grande compaixão pelas fraquezas, desejos e alegrias humanas, a história de Rosamunde Pilcher transborda de emoção. O mundo por ela criado e descortinado para nós torna-se um lugar onde nos sentimos à vontade, um lugar ao qual mal podemos esperar para voltar, um lugar de que jamais nos esqueceremos.

Primeira aparição da dona Neide

Quando Jaqueline Coutinho se tornou pela primeira vez prefeita em exercício de Sorocaba, na tarde da sexta-feira (28 de abril), ela recebeu do prefeito Crespo (que se ausentou para seguir em comitiva do Senado Federal para a Alemanha) uma chave gigante com o brasão de Sorocaba, simbolizando a transmissão do cargo. Muito emocionada, ela ficou com os olhos cheios de lágrimas, com a cerimônia prestigiada pelos pais. “Ele descobriu o que nós como pais não descobrimos, que ela teria essa vocação”, disse naquele momento o pai da prefeita em exercício, Geraldo Barcelos Coutinho.

A prefeita em exercício, em seu discurso de posse, já sinalizava q importância da dona Neide em sua vida: “As minhas características profissionais advém do espelho que eu tive junto aos meus pais: espelho de luta, de fibra, de coragem, de combatividade e de Justiça”.

O prefeito, feliz com aquele momento, foi só elogios à vice: “A mulher é um ser superior, mais dotado do que os homens, tem mais dedicação, carisma, poder de conciliação para resolver conflitos”, declarou.