Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Visita de Bolsonaro aos EUA concretiza alinhamento ideológico com Trump

Postado em: 17/03/2019

Compartilhe esta notícia:

Marina Dias e Patrícia Campos Mello, FOLHAPRESS

A visita do presidente Jair Bolsonaro aos EUA nesta semana concretiza o alinhamento ideológico do governo brasileiro ao de Donald Trump, mas deve terminar com poucos resultados práticos.

Bolsonaro corre o risco de sair de Washington, onde desembarca neste domingo (17), sem seu maior trunfo na política externa: o apoio formal dos EUA para a candidatura do Brasil à OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

Acordos comerciais concretos, como o de livre-comércio e o fim da bitributação, além da inclusão do Brasil no programa de isenção de vistos para entrar nos EUA, também não devem resultar do encontro entre Bolsonaro e Trump, marcado para a terça-feira (19), na Casa Branca.

O Brasil, por sua vez, vai liberar da necessidade de visto os americanos que querem entrar no país, mesmo sem ter o mesmo gesto em troca. O chanceler Ernesto Araújo quer conversar sobre o tema com autoridades dos EUA, mas não demonstra otimismo para um acordo rápido – 12,73% dos brasileiros tiveram seu pedido de visto para o país negado em 2018.

A entrada na OCDE, o clube dos países ricos, é reivindicada pelo Planalto desde 2017 e serviria como reforço das credenciais reformistas do governo Bolsonaro. As negociações, porém, encontram resistência no governo dos EUA.

Enquanto o secretário de Estado, Mike Pompeo, é favorável ao pleito do Brasil –ensaiou escrever uma carta a Trump pedindo seu apoio ao ingresso brasileiro–, o USTR, Escritório do Representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, advoga contra.

Segundo pessoas que participam das tratativas, o USTR avalia que o Brasil não é comercialmente confiável, e parte do governo americano se posiciona com cautela quando o tema é ampliar a OCDE, hoje com 35 países.

Existe ainda pressão de setores empresariais, como a indústria farmacêutica, para que o Brasil faça algumas reformas antes de ser admitido.

Dentro do governo brasileiro, a aposta passou a ser em Bolsonaro pedir o apoio diretamente a Trump. A avaliação é que o americano é impulsivo e pode acabar fazendo o gesto a despeito da resistência de seus assessores.

Foi isso que ocorreu com a Argentina. Em abril de 2017, o presidente Mauricio Macri se reuniu com Trump e fez o pedido ao líder americano. Ao lado de assessores contrários à ideia, Trump simplesmente declarou que iria apoiar a admissão do país. A diferença desta vez é que, ao contrário de Macri, o brasileiro não fala inglês e deve contar com intérpretes, o que prejudica a conversa.

Auxiliares de Trump lembram ainda que o americano não tem fama de ser paciente e pode, inclusive, querer encurtar o encontro caso ele não se desenrole tão bem.

Outro assunto que será abordado na reunião, porém sem grandes avanços efetivos, é a crise na Venezuela, tema de verdadeiro interesse de Trump na América do Sul.

O americano pode sondar Bolsonaro para apoiar uma intervenção no país, mas a ala militar do Planalto garante que não mudará de posição quanto a se ater à ajuda humanitária na fronteira –porém, pode anunciar sanções aos venezuelanos.

Um dos poucos acordos concretos deve ser o de salvaguardas tecnológicas, que permitirá o uso comercial da base de Alcântara (MA). Com ele, o Brasil poderá faturar até US$ 10 bilhões ao ano, segundo Ministério da Defesa, alugando o local para lançamentos de satélites.

No entanto, após assinado, o acordo ainda precisa ser aprovado pelo Congresso. Da última vez que foi assinado com os EUA, em 2000, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, o texto foi barrado pelos parlamentares, inclusive pelo então deputado Jair Bolsonaro. A linguagem do novo tratado foi modificada para tentar atenuar a ingerência dos EUA e aumentar a probabilidade de aprovação.

Além disso, serão fechadas parcerias na área de segurança, inteligência, militar e aeroespacial – uma delas é um acordo entre o Inpe, Ita e Nasa para construir um satélite. O Brasil também deve deve reduzir as tarifas de importação do trigo dos EUA.

Como antecipou a Folha de S.Paulo, os EUA ainda devem anunciar, durante a visita, que o Brasil passará a ter o status de “major non-NATO ally” – aliado prioritário extra-Otan.

A designação cabe a países não membros da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), que são aliados estratégicos militares dos EUA. Assim, o Brasil passa a ter acesso a vários tipos de cooperação militar e tecnológica.

A influência chinesa na América Latina, uma grande preocupação de Washington, também deve entrar na pauta. Os EUA vêm pressionando aliados a vetarem a compra de equipamentos da gigante de telecomunicações Huawei, acusando a empresa de fazer espionagem para Pequim.

Havia frustração entre empresários com a falta de anúncios concretos na agenda comercial, como mostrou a Folha de S.Paulo. Para tentar entregar algo, o grupo de entidades empresariais circulou um relatório na Casa Branca e no USTR com sugestões de medidas que poderiam ser fechadas sem aprovação do Congresso – algumas de convergência regulatória, eliminação de barreiras técnicas e combate a corrupção no setor privado.

A agenda de Bolsonaro nos EUA também vai acenar à sua base eleitoral: ele vai participar de um jantar conservadores, dará entrevistas à imprensa evangélica e se reunirá com investidores e empresários.

O presidente chega a Washington com uma comitiva de seis ministros, entre eles Paulo Guedes (Economia), Sergio Moro (Justiça), Augusto Heleno (GSI), além do chanceler.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Procon autua posto de combustíveis na avenida Dom Aguirre por irregularidades

Sorocaba sobe em classificação relacionada à mudança climática em plataforma global

Morador de rua é morto após ser esfaqueado e queimado

Brasil tem mais de 1,9 mil casos de sarampo confirmados

Campanha de Vacinação Contra a Gripe entra na reta final; doses estão nas UBSs

Dini vai investigar UPHs terceirizadas de Crespo por pacientes ‘referenciados’