Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Vídeo: Lippi revela que votará contra decreto de armas de fogo de Bolsonaro

Postado em: 24/06/2019

Compartilhe esta notícia:

O deputado federal Vitor Lippi declarou ao vivo, durante o Jornal da Ipanema, da Rádio Ipanema, desta segunda-feira (24), que votaria contrário ao decreto de armas de fogo do presidente Jair Bolsonaro. Assista ao vídeo abaixo.

“Acho que arma em casa é um risco para crianças, briga conjugal, os bares onde os jovens estão armados, beberam um pouco, discutem, no trânsito […]”, opinou.

Na semana passada, o Senado Federal votou semana passada pela derrubada do decreto presidencial. Nesta semana, o decreto deve ser analisado tanto pelo STF (Supremo Tribunal Federal), que julgará sua Constitucionalidade, e pela Câmara dos Deputados. Lippi disse sentir de seus colegas, na Casa Legislativa, que os parlamentares estão divididos sobre a aprovação do decreto de armas de fogo. Ainda, afirmou que a maioria deles mencionaram medo de ter arma de fogo em sua residência.

“Quase 20% da população tem algum problema psiquiátrico ao longo da vida. Imagina uma arma na mão dessa pessoa”, disse Lippi. “O objetivo do assaltante não é matar, ele quer o seu bem. O seu patrimônio. O objetivo dele não é matar. Agora, se você reagir, o risco é exponencialmente maior. Um dos dois vai morrer”, completou.

“Não podemos reagir. Os caras normalmente, tem dois ou três [bandidos] armados. Você vai sozinho? Vai virar um Charles Bronson? Vai matar todo mundo e sair no jornal como o herói? Não existe isso. Quando você puxa arma e dá um tiro, vai morrer alguém. Pode ser da sua família ou você. Menos, menos. Precisamos de paz. A polícia tem que fazer o trabalho dela de prender bandido. Armar a população é um perigo. Vai morrer muito mais gente. Não vai diminuir o número de vítimas por arma de fogo, vai aumentar”.

Anulação do decreto no Senado e votação dos deputados

Com o placar de 47 votos favoráveis e 28 contrários, o Senado Federal votou semana passada pela derrubada do decreto presidencial que flexibiliza a posse e o porte de armas no Brasil. A anulação definitiva do decreto depende agora da confirmação do Plenário da Câmara dos Deputados, o que pode ocorrer ainda neste mês. Por enquanto, o texto do presidente Jair Bolsonaro continua em vigor.

Na terça-feira (18), a maioria dos senadores votou favorável ao Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 233/2019, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que susta o Decreto 9.785/2019. Por meio desse documento, o presidente da República regulamentou diversos pontos da Lei 10.826, de 2003, o chamado Estatuto do Desarmamento, com mudanças em regras e procedimentos para a aquisição, o cadastro, o registro, a posse, o porte e a comercialização de armas de fogo e de munições. O PDL aprovado anula ainda o Decreto 9.797/2019, que promoveu alterações no decreto inicial de Bolsonaro.

NO STF

O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), pautou para a sessão extraordinária da próxima quarta-feira (26) o julgamento conjunto das medidas cautelares requeridas nas ações que questionam decreto do presidente da República, Jair Bolsonaro, que trata de posse, porte e comercialização de armas de fogo e munição.

Ao todo são cinco ações que questionam decreto que regulamentou o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/2003). A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6134, relatada pela ministra Rosa Weber, foi ajuizada pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). As ADIs 6119 e 6139, de relatoria do ministro Edson Fachin, foram apresentadas pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB). Por fim, as Arguições de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 581 e 586, também relatadas pela ministra Rosa Weber, foram ajuizadas pelo partido Rede Sustentabilidade.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Éden e Aparecidinha terão abastecimento de água interrompido no sábado

Sindicato acusa Crespo de terceirizar educação para pagar a campanha política

Medicamentos vencidos e insumos hospitalares são apreendidos em Sorocaba

AO VIVO: em sessão tumultuada, vereadores vão aprovar comissão que pode cassar Crespo

Polícia Militar de Sorocaba realiza corrida beneficente para ajudar irmãos com doença rara

Roberto Jefferson promete parar José Dirceu ‘na bala’: ‘Vamos atirar nele’; veja vídeo