Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Vereadores rejeitam, durante extraordinária, emenda que retirava reajuste para eles

Postado em: 08/01/2019

Compartilhe esta notícia:

Cida Muniz

O vereador Irineu Toledo (PRB), líder do governo José Crespo (DEM), apresentou uma emenda retirando o reajuste dos vereadores, que na verdade é a reposição da inflação. O parlamentar destacou que o Legislativo também deveria fazer a sua parte, economizando.
Toledo precisava de sete assinaturas para a emenda, mas não conseguiu, portanto, ela já tinha vício de iniciativa. A emenda foi criticada, sendo chamada de populista. O vereador Luis Santos (PROS) foi um dos mais críticos a emenda, lembrando que o vereador atua diretamente com a população.

O vereador Hudson Pessini (MDB), assinou a emenda de Toledo, mas a criticou, afirmando que os vereadores atendem a população diariamente, porém, os secretários ganham até mais que eles e a população nem sabe quem eles são.

O parecer contrário a emenda foi aprovado e o vereador Luis Santos chegou a dizer que Toledo deveria doar a diferença do seu salário com o aumento. Na sequência o republicano afirmou que não doaria, porque queria que todos os vereadores abrissem mão do benefício, mas estes não quiseram.

Durante a discussão acalorada, o plenário da Câmara ficou sem energia. No início o equipamento de som continuou funcionando, mas depois o gerador também ficou sem a bateria e a votação ocorreu no grito. Quando a sessão foi interrompida pelo presidente Fernando Dini (MDB), a energia voltou e a sessão continuou.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mais 11 lotes de cerveja Backer estão contaminados, informa ministério

‘Tenho medo de morrer’, diz advogada suspeita de atrapalhar o caso Marielle Franco

O melhor da obra de Quentin Tarantino antes da estreia de “Era Uma Vez em… Hollywood”

Alvo da Lava Jato, Serra diz que ação causa ‘estranheza e indignação’

ÔTOVINU! – espetáculo para crianças com mais de 1.200 visualizações no projeto TEATRO NA TELA - veja a coluna de José Simões

Psol celebra a revogação da PGV pela Câmara; Secovi, também. Contradição?