Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Vereadores de Iacanga foram a prostíbulo com dinheiro público, denuncia MP

Postado em: 08/11/2018

Compartilhe esta notícia:

O Ministério Público de São Paulo denuncia cinco vereadores da cidade de Iacanga, localizada a 300 quilômetros de Sorocaba, por improbidade administrativa. De acordo com a denúncia, os parlamentares teriam gasto dinheiro público para pagar a conta em um prostíbulo de luxo localizado em Pinheiros, na capital paulista.

O inquérito foi instaurado em agosto e no início de outubro tornou-se ação civil. O MP sugere a condenação de cada parlamentar ao pagamento do valor de R$ 20 mil a título de dano moral coletivo, a ser revertido aos cofres públicos de Iacanga.

De acordo com o documento do MP, os vereadores Vagner Rodrigo Crepaldi (PSB), Dorival Lupiano de Assis (PR), Dorival Ferreira Campos Filho (PSB), Leonel Roma (PV) e Rafael Giovani Delaporta Sedemak (Solidariedade) são os denunciados no caso.

O Ipa Online contatou a Câmara de Iacanga para pedir posicionamento dos vereadores citados na denúncia.

Consta na denúncia que, no dia 13 de junho de 2018, os vereadores Dorival Assis, Vagner e Rafael foram à capital paulista em “missão oficial”. Para a viagem, receberam o valor de R$ 1.500 a título de adiantamento das despesas. Ao retornar, apresentaram uma nota fiscal no valor de R$ 370 de uma conta. Ao investigar o CNPJ da empresa, foi descoberto que, na verdade, tratava-se de um bar e restaurante de luxo, com “forte apelo erótico”.

Entretanto, esta não foi a primeira vez que o fato aconteceu. Ano passado, mais especificamente dia 27 de junho, os também vereadores Dorival Ferreira, Vagner e Leonel foram à cidade de São Paulo para igualmente uma “missão especial”, no qual teriam compromissos junto à Assembleia Legislativa do Estado. Por isso, fizeram inclusive uso de veículo da Câmara de Vereadores e todas as despesas foram custeadas pelo Legislativo local. Na prestação de contas, apresentaram um comprovante de despesa no valor de R$ 340 do estabelecimento comercial. O CNPJ da nota de serviços também constava como sendo a casa de luxo.

No Google, o estabelecimento se apresenta como “͒sofisticado, com a presença de moças com vestimentas sensuais”, descreve o MP. Inclusive, este mesmo local já havia sido investigado por suspeita de exploração de prostituição.

O MP cita que os vereadores “tiveram a ousadia de gastar dinheiro público em local que, para ficar apenas num termo mais polido, é predominantemente destinado à satisfação da lascívia”.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

PM apreende quase 200 quilos de cocaína em fundo falso de caminhão

Fundec abrirá vagas para cursos de instrumentos musicais

Motorista mata homem após avançar sobre manifestantes do Movimento Sem Terra

Grupo de PMs cobra explicação sobre patrimônio de cabos milionários

Pré-candidato ao Executivo, Anselmo Neto diz: "povo não quer saber do prefeito, quer bom atendimento"

Disney divulga primeiro trailer de versão live-action de “O Rei Leão”