Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Vereadores aprovam projetos de colocação de placas de advertência contra ato libidinoso e trabalho infantil

Arquivo
Postado em: 20/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Combate à importunação sexual no transporte coletivo e à exploração do trabalho infantil são temas dos dois projetos de lei aprovados pelos vereadores durante a 13ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Sorocaba, realizada virtualmente, na manhã desta quarta-feira (20). Os dois projetos aprovados em primeira discussão, são de autoria da então vereadora Cíntia de Almeida (MDB). 

Inicialmente foi aprovado o Projeto de Lei 05/2020, que prevê a afixação no transporte coletivo de placa ou cartaz informando que a prática de ato libidinoso contra alguém constitui crime com pena de um a cinco anos de prisão. O aviso deverá ser colocado no interior dos coletivos, nos terminais e nos guichês de comercialização dos bilhetes. O descumprimento da norma acarretará multa de R$ 500, a ser cobrada em dobro no caso de reincidência. A lei prevê prazo de 30 dias para adequação do sistema à norma. Apesar de constar na pauta também segunda discussão, o projeto foi retirado a pedido do vereador Péricles Régis que deverá apresentar emenda à proposta. 

Também de Cíntia de Almeida e em primeira discussão foi aprovado o Projeto de Lei nº 273/2019, substitutivo, que dispõe sobre a obrigatoriedade de afixação de placas de advertência sobre a exploração do trabalho infantil nos cemitérios, públicos e particulares, e feiras livres do Município de Sorocaba. O cartaz deve trazer os dizeres: “Trabalho Infantil é crime! Disque 100 e denuncie”. No caso de descumprimento, por parte dos cemitérios particulares, a multa será de R$ 500, a ser cobrada em dobro na reincidência. Assim como o anterior, o substitutivo recebeu parecer favorável da Comissão de Justiça.

Violência doméstica

Devido ao fim tempo regimental, não chegou a ser votado o Projeto de Lei nº 234/2019, do vereador Rodrigo Manga (Republicanos), em pauta em primeira discussão, que garante prioridade de encaminhamento a vaga de emprego e de cursos profissionalizantes às mulheres que tenham sido vítimas de violência doméstica e familiar. Segundo o projeto, para fazer jus ao atendimento prioritário, a mulher deve comprovar sua situação de vulnerabilidade com os devidos documentos policiais ou judiciais, sendo-lhe garantido o sigilo por parte das empresas que vierem a contratá-la.

O autor defendeu a medida, destacando que esperava que a prefeita acatasse a medida e encaminhasse à Casa uma proposta semelhante, sanando o vício de iniciativa. “Essas mulheres continuam com seus agressores, pois são dependentes financeiramente”, ressaltou Manga. O líder do Governo, Eng. Martinez (PSDB), a pedido do autor, chegou a solicitar a retirada do projeto para que a questão seja debatida com o Executivo, mas, como a sessão foi encerrada em meio a discussão, o projeto deverá abrir a próxima ordem do dia no dia 10 de junho. 

As vereadoras Fernanda Garcia (PSOL) e Iara Bernardi (PT) também defenderam a ideia e ressaltaram o aumento dos casos de violência doméstica durante a pandemia. De acordo com o Péricles Régis (MDB) a prioridade já é uma política pública praticada pelo CEREM e PAT, de acordo com resposta do Executivo à um requerimento de sua autoria encaminhado em 2019. 

A proposta já foi encaminhada para a manifestação do Executivo, que opinou contrariamente à sua aprovação, argumentando que o projeto não esclarece de que forma a mulher poderá buscar o atendimento preferencial sem expor sua condição, uma vez que ela própria tem de levar os documentos. Como salientou o autor, a Comissão de Justiça considerou o projeto inconstitucional por vício de iniciativa. 

Votação e discussão única

Em votação única, foram aprovados os seguintes projetos: Projeto de Decreto Legislativo nº 09/2020, de Hudson Pessini (MDB), que concede Medalha do Mérito Esportivo a Emerson Martins; Projeto de Decreto Legislativo nº 12/2020, de Anselmo Neto (Podemos), que concede Título de Cidadã Sorocabana à Luara Piovan Garcia; e Projeto de Decreto Legislativo nº 15/2020, também de Anselmo Neto, que concede Título de Cidadã Sorocabana à Jeane Pereira de Lima Collaço.

Também foram aprovados em votação única dois projetos de Anselmo Neto: os Projetos de Decreto Legislativo nº 13/2020 e 14/2020, que concedem, respectivamente, Título de Cidadã Sorocabana a Maria Lucia da Silva Araújo e Título de Cidadão Sorocabano a João Ferreira de Araújo. Ainda em votação única, os vereadores aprovaram o Projeto de Decreto Legislativo nº 17/2020, de Renan Santos (PDT), que concede o Título de Cidadão Sorocabano a Adilson Nunes de Souza.

Em discussão única foram aprovados os seguintes projetos: Projeto de Lei nº 33/2020, também do Executivo, que denomina “Josefa Tudela Ribeiro” a Rua 11 do Núcleo Habitacional São Marcos; e Projeto de Lei nº 32/2020, do vereador Engenheiro Martinez (PSDB), que denomina “Paulo Michelini" a Rua Projetada da Vila Colorau.

Ainda em discussão única, foi aprovado o Projeto de Lei nº 43/2020, do Engenheiro Martinez (PSDB), que denomina “Ari Aranha Alves” a Rua 14, no Parque Eco Fazenda Jequitibá. Também foram aprovados o Projeto de Lei nº 40/2020, de Anselmo Neto (Podemos), que denomina “Maria Eunice de Fátima” a praça localizada no Jardim São Conrado, e o Projeto de Lei nº 38/2020, do Executivo, que denomina Avenida Central uma avenida de ligação entre os Jardins Piazza de Roma I e II.

Fora de Pauta 

Após suscitar dúvidas, foi retirado de pauta pelo autor, por uma sessão, o Projeto de Lei nº 336/2019, substitutivo, em primeira discussão, do vereador Péricles Régis (MDB), que determina atendimento preferencial às pessoas com doenças crônicas reumáticas que causem dor, tanto nos órgãos públicos quanto nas empresas privadas. O projeto de lei beneficia as pessoas que apresentem uma série de patologias comprovadas por laudos médicos como fibromialgia e artrose, por exemplo. 

O autor reforçou que o pedido surgiu da sociedade e que foi procurado por um grupo de pessoas que se uniram e solicitaram ao parlamentar que elaborasse a propositura. “Cabe a nós legisladores decidir se será dado esse dispositivo ou não”, afirmou. A vereadora Iara Bernardi (PT) também comentou a proposta, citando que a Secretaria da Saúde não sabe como será retomado o atendimento pós-pandemia. “Não é tarefa nossa determinar que este ou aquele paciente de certo tratamento é prioritário. O sistema SUS é para todos”, opinou. 

Outros parlamentares também citaram a pandemia e se manifestaram sobre o projeto. O autor lembrou que o projeto, remanescente, entrou em tramitação bem antes do início da pandemia e que o parecer jurídico é favorável. Como a questão levantou dúvidas, o parlamentar acatou a sugestão do presidente Fernando Dini (MDB), e retirou o projeto de pauta para buscar informações junto a Secretaria de Saúde.

E, após receber duas emendas do vereador João Donizeti (PSDB), saiu de pauta o Projeto de Lei nº 376/2019, do Executivo, que reorganiza os próprios públicos da Secretaria da Educação mediante denominações de Centros de Educação Infantil e Escolas Municipais. Já o Projeto de Lei nº 42/2020, do Eng. Martinez (PSDB), denominando de “Raquel Jacob” a uma via projetada do Bairro Itinga, foi arquivado a pedido do autor.

Pedido de cassação arquivado

Antes da apreciação dos projetos da pauta, os vereadores votaram a petição do advogado Alex William Beraldo, apresentada por meio do Protocolo 1.054/2020, e decidiram pelo seu arquivamento. A referida petição requeria a instauração de Comissão Processante para cassação da prefeita Jaqueline Coutinho pela suposta prática de infração político-administrativa, com base no Decreto-Lei nº 201, de 27 de fevereiro de 1967, que trata da responsabilidade de prefeitos e vereadores. 

O vereador Luis Santos (Republicanos), 1º secretário da mesa diretora, fez a leitura da petição a pedido do presidente da Casa, vereador Fernando Dini (MDB). O autor da petição apontava possível infração político-administrativa em edital aberto pela Secretaria de Licitações e Contratos para locação de grades de contenção e limitação para utilização em atividades da Secretaria da Cultura, incluindo transporte e montagem. O denunciante argumentou que a Prefeitura de Sorocaba contratou outra empresa para realizar o desfile cívico de Sete de Setembro e não a empresa que saíra vencedora do referido edital, o que no seu entender sujeita a prefeita à cassação de seu mandato.

Os vereadores foram unânimes em votar pelo arquivamento da petição. O vereador Marinho Marte (PP) disse que a decisão que se pretende da Câmara é meramente política, uma vez que não houve nenhuma manifestação do Judiciário a respeito do assunto. “A Câmara deve aguardar uma manifestação do Judiciário, se houver, caso contrário, estaríamos atropelando o processo”. Corroborando Marinho Marte (PP), o vereador Engenheiro Martinez (PSDB), líder do governo na Casa, argumentou que não houve irregularidade no edital tanto que não há nenhuma denúncia no Ministério Público a respeito do assunto.

Francisco França (PT), em nome da bancada do PT, também disse que não há base legal para a denúncia: “O momento é de combate à pandemia. Chega de cassações, não é momento para isso. Dentro de alguns meses teremos eleição e a população vai decidir o que quer para Sorocaba”. Por sua vez, a vereadora Fernanda Garcia (PSOL) lembrou que a empresa vencedora, que foi preterida, teve seu nome envolvido na Operação Casa de Papel e ressaltou que não há embasamento legal para pedir a cassação da prefeita nesse caso específico. 

O vereador Pastor Apolo (PSL) disse que o momento é de combater à pandemia e foi contra o pedido de cassação. Já o vereador Irineu Toledo (Republicanos) foi enfático: “Sorocaba precisa acabar com essa história de cassação por qualquer motivo. Não vamos cassar ninguém por questões políticas”. Da mesma forma, o vereador Fausto Peres (Podemos) disse não ver razão para que o processo de cassação seja aberto, enfatizando que é preciso concentrar esforços no combate à pandemia.

O vereador Renan Santos (PDT), discorrendo sobre infrações administrativas e a necessidade do decoro por parte das autoridades públicas, disse que, no caso em questão, que se trata de uma questão administrativa, não houve nada que provocasse, até o momento, o Ministério Público e a Justiça, posicionando-se também pelo arquivamento da petição. O vereador Wanderley Diogo (PSC) também defendeu ao arquivamento, assim como o vereador João Donizeti Silvestre (PSDB), que disse não ver nenhum embasamento jurídico para o pedido de abertura de Comissão Processante. Dessa forma, a petição foi arquivada por unanimidade.

Comissão de Ética 

Durante a sessão ordinária também foi recomposta a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Casa, uma vez que houve mudança de alguns parlamentares de partidos. 

Os novos membros da comissão, que é formada por um vereador de cada partido com representação na Casa, são: Irineu Toledo (Republicanos); João Donizeti (PSDB); Péricles Régis (MDB); Anselmo Neto (Podemos); Francisco França (PT); Marinho Marte (PP); Pastor Apolo (PSL); Fernanda Garcia (PSOL); Renan Santos (PDT); e Wanderley Diogo (PSC).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

IFSP e alunos pedem reforço na segurança após onda de assaltos

Instituto dá dicas para pais evitarem problemas ao comprar brinquedos

Doria prorroga quarentena em SP até 31 de maio contra novo coronavírus

Pai e filho são presos por roubo de celular; dupla usava motos para cercar vítimas

Briga de trânsito motivou assassinato na avenida Ulysses Guimarães, diz Polícia Militar

Mulher é socorrida com ferimentos em todo o corpo após agressão de ex-companheiro