Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Vereador denuncia "deficiências" em sistema de cadastro do programa "Bem Morar" e quer informações sobre perfil de inscritos

Foto: Divulgação/Secom Sorocaba
Postado em: 19/02/2020

Compartilhe esta notícia:

As manifestações de munícipes que não conseguiram concretizar – ou mesmo não sabem sequer se conseguiram – o cadastro no levantamento habitacional “Bem Morar” estão tomando conta das redes sociais.

 

Apontada por muitos como "pouco amigável" às pessoas menos familiarizadas com o ambiente virtual, a plataforma foi "acusada" de possuir "vários problemas que teriam impossibilitado muitas pessoas de concluírem o cadastro". Ao todo, mais de 20 mil famílias não concluíram o procedimento.

 

O vereador Péricles Régis (MDB) afirma que o dado "é preocupante", principalmente porque "há divergências de informação: afinal o cadastro quer apenas traçar uma dimensão do déficit habitacional na cidade ou já é um levantamento definitivo para futuros empreendimentos imobiliários da cidade?"

 

“Não houve nenhuma ajuda para a população e o site dava muito erro”, escreveu Edu Borges, segundo Péricles, em uma postagem sobre o "Bem Morar" no Facebook. “Lá estava pedindo para que eu enviasse fotos da minha carteira de trabalho, mas não abria nenhuma janela para fazer isso”, critica Thalita Moraes, conforme o vereador. Já Claudete Vieira disse que antes de concluir o processo recebeu mensagens de erro: “Surgia o problema e não permitia avançar para a próxima página do cadastro”, relata.

 

Em seu requerimento encaminhado à Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária, Péricles questiona principalmente a finalidade do levantamento, que inicialmente foi divulgado apenas como um cadastro que teria como única missão levantar a demanda por moradias em Sorocaba. “O problema é que quando entrei em contato com o secretário Sérgio  Barreto, titular da Habitação, por telefone, este disse o oposto do que havia informado no plenário da Câmara, alegando desta vez, diretamente para mim, que o Bem Morar trata-se na verdade de um cadastro definitivo a ser usado em futuros programas habitacionais e que os prazos não seriam reabertos em outras ocasiões”.

 


Entre os questionamentos enviados ao Executivo, o parlamentar pergunta se  o fato das informações sobre o Bem Morar estarem prioritariamente em ambiente virtual não acaba restringindo o acesso da população mais carente a dados. O vereador também pergunta se houve pela cidade serviços que funcionaram como forma de atender a população e ajudar com as dúvidas. “Informalmente, recebemos a informação de que o único caminho mesmo era pela internet, porém como exigir que um idoso, um PCD ou qualquer pessoa que tenha dificuldades, encontre facilidade nesse processo?” questiona Péricles.

 


O requerimento também pede um balanço final do número de inscritos, uma vez que o processo foi encerrado em 12 de fevereiro. Péricles quer saber o perfil dos inscritos: quantas famílias, pessoas solteiras, homens e mulheres chefes do lar se inscreveram, além de questionar sobre a renda dos inscritos a fim de entender se as famílias mais pobres, inclusive assistidas pelos programas sociais da cidade, conseguiram cadastrar-se. “Se os mais pobres ficaram fora, o levantamento já nasce deficiente”, conclui o vereador.

 

O requerimento tem prazo de até 30 dias para ser respondido pelo Executivo.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Saae diz que pode faltar água em Sorocaba neste sábado; culpa seria do calor

Romu detém traficante no Parque Vitória Régia

Invisto ou desisto?

Prefeitura de Sorocaba troca secretário de Comunicação um dia após eleição

Braço eleitoral da Lava Jato acelera investigações depois de derrota no STF

Fotógrafo faz sucesso na internet com imagem em que esquilo cheira flor