Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Uma poesia à Clarinha - veja a coluna semanal de Vanderlei Testa

Postado em: 13/06/2020

Compartilhe esta notícia:

Por Vanderlei Testa

 

Voa anjinha. Voa ao céu no colo de Jesus! Voa como o bem-te-vi. O que escrever de uma mulher que nos deixou como uma mãe, tia, esposa, amiga, avó, bisavó e principalmente um ser humano incrível.

 

Chiara Testa Gâmbaro é o nome de batismo dela. Passou a ser Clara e Clarinha. Seus 99 anos de vida e nove meses vividos até o dia 10 de junho deste ano, foram para todos que tiveram a feliz oportunidade de estar com ela, uma verdadeira riqueza de amor fraternal. Gostaria muito de ter o dom de escrever uma poesia à Clarinha.

 

Certamente iria citar que me lembro dela como um girassol ou de rosa vermelha plantada em um jardim exuberante de plantas. Escreveria que ao ver uma imagem de anjo posicionado com suas mãos em prece frente ao altar ou no sacrário, recordaria das vezes em que ela, Clarinha, com a mesma postura de prece estava nos bancos da Igreja do Bom Jesus, orando ao seu padroeiro Santo Antonio. Acrescentaria que como uma anjinha eu a vi orando comigo no Santuário de Santa Filomena no ano passado.

 

E no meu poema à Clarinha enfatizaria o quanto ela amava os seus filhos, netos e bisnetos. Destacaria também a Ana Maria e os netos Mateus e Fernando, cuidando com tanto amor e dando o café da manhã com gotas do açúcar do mel das abelhinhas do apiário do céu.

 

E sendo palavras de uma poesia, seguiria em frente relembrando nas estrofes quem era aquela anjinha voando ao paraíso. Uma tia que ensinou com o seu sorriso que não havia tristeza na sua vida. Os sofrimentos jamais a deixaram abatida. Uma guerreira como me falou o seu filho Ivo. Ou uma avó irradiante de amor e alegria, nas palavras da neta Mariana.

 

E a Isabela falando “vó Clarinha, sua festa dos 100 anos será em outro plano com pessoas mais que especiais e com Deus”.  Em cada linha da poesia, iria escrevendo o  que o Ari, o Rui, Ivo, Ana Maria e a Léa, já conversaram com a mãe Clarinha quando crianças, em seu seio materno. O aconchego do colo e a presença materna nas trocas de fraldas, na alimentação, nas roupas lavadas, no conduzir até o portão da histórica casa da rua Quinzinho de Barros.

 

Lembrarei no poema da presença do tio Toninho ao seu lado na entrada da igreja para o casamento. O seu poema tia Clarinha, teria sua infância na fazenda em Piracicaba com os meus pais e seus irmãos, em cortes de cana de açúcar e na pureza da sua presença em família. Ah, vou lembrar na poesia, como uma música, dos momentos dos seus aniversários na chácara. Todos reunidos em parabéns e abraços, beijos e presentes. Quanta ternura no seu olhar. Em nossas mãos entrelaçadas como se fossem mãe e filho em prosa de sentimentos de gratidão.

 

Anjinha Clarinha, quando você chegou ao céu, eu sei que incontáveis anjos a aguardaram e a luz do Criador a iluminou e tornou o seu corpo que aqui deixou em alma de puro amor. E uma nova estrela Clara nasceu na constelação do universo divino.

 

E na despedida aquele pássaro bem-te-vi pousou sobre as flores das coroas e caminhou lentamente até que num voo em frente aos olhos lacrimejados de saudade, subiu às alturas no céu azul daquela tarde de quarta-feira.

 

Vanderlei Testa é jornalista e publicitário; escreve aos sábados no  www.jornalipanema.com.br/opinioes e www.blogvanderleitesta.com e www.facebook.com/artigosdovanderleitesta

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

PM de SP considera lícita a ação em Paraisópolis que terminou com 9 mortos

Morador de rua é morto após ser esfaqueado e queimado

Segundo ano de “The Marvelous Mrs. Maisel” mantém humor afiado e diálogos inteligentes

Bolsonaro diz que teste para Covid-19 deu negativo e exibe caixa de cloroquina

Prefeita realiza primeira reunião de secretariado para balanço dos cinco primeiros meses de governo

Polícia Civil cumpre mandados de busca e apreensão em endereços do ex-prefeito José Crespo