Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Uma descendência de irmãos italianos: Modolo e Teresa

Postado em: 27/04/2019

Compartilhe esta notícia:

Por Vanderlei Testa

Luiz Modolo era um maquinista de trem na Estrada de Ferro Sorocabana. Viajava com a sua locomotiva pelo interior de São Paulo, conduzindo os vagões pelos trilhos do progresso na década de 40 em Sorocaba.

Com sua esposa Elena, o Luiz sonhava num futuro com filhos crescendo na cidade que os acolheram para viver.

Nas folgas de suas atividades na ferrovia o lar no bairro do Além Ponte era o aconchego familiar que trazia paz e esperança.

A simplicidade e a alegria contagiava a vizinhança das imediações da antiga Igreja do Bom Jesus, local onde hoje é o Ginásio Municipal Gualberto Morteira.

Entre esses moradores, estavam meus pais, Ernesto e Carmela, irmão e cunhada da Elena, minha tia. E o primeiro filho nasceu.

Forte e na sua robustez de menino com descendência italiana o “Toninho”, que virou “Nin” em adulto, trouxe na certidão de batismo o nome em homenagem a Santo Antonio. Seu nome registrado é Antonio Modolo.

Pouco depois, novamente grávida, Elena dava a luz a Tereza, que  ficou conhecida como “Fia”. Duas crianças em seus primeiros anos de vida e o lar dos Modolos prometia novos irmãos.

Mas nem tudo que o ser humano sonha se concretiza. Uma fatalidade levou o Luiz à outra estação, não a de trem, mas a divina na passagem pelo paraíso. E a tia Elena com as duas crianças veio morar em minha casa, juntando-se aos quartos de casa com suas malas.

“Nin e Fia”, prefiro chama-los assim, foram e são meus irmãos de existência na rua Santa Maria, onde nasci. Eu era o caçula e meu irmão Darci com nove anos, o mais velho.

Os dois primos agregados à família formavam o quarteto. Anos depois chegou o Ernesto e completamos o quinteto de irmãos.

Relembro esses fatos com saudade. Nossa mesa dominical no quintal com a família reunida e as crianças descalças correndo revive na memória situações inesquecíveis.

A bola de meia e o pião rodavam na calçada. E sempre tinha as visitas dos parentes com seus meninos e meninas formando aquela bagunça.

Os anos foram passando e os namoros dos mais jovens iam acontecendo até que acompanhei o casamento do Nincom a Esmeralda e da Fia com o Roberto.

Nesse meio tempo, veio morar em casa uma prima de Piracicaba, a Darci Zambom, sendo mais uma irmã na família. Outra prima, a Mafalda-Tica, também chegou de Piracicaba para estudar enfermagem na cidade e se juntou a nossa casa.

Um primo de São Paulo, Gumercindo Basso, foi o próximo a residir no número 111 da Santa Maria e assim tínhamos um lar repleto de gente.

Eram muito amorosos esses domingos com as visitas de outras primas, da Iolanda Trevisan e filhas e filhos, da Clarinha, Amélia.

Era muita gente e muito bolo de fubá e bolinho de chuva com café. Dia 11 de abril, visitei o “Nin” em sua casa para um café da tarde. E relembrei com ele , a Mirna e a Rose, o amor que supera qualquer dificuldade na vida, que é a unidade da família.

Foram duas horas de saudades e esperança que brotou do seu olhar distante nas árvores pela janela.

 

width=2576

Vanderlei Testa é jornalista e publicitário

@artigosdovanderleitesta

Os artigos são publicados aos sábados no site www.jornalipanema.com.br

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Prefeitura de Sorocaba inicia novo Programa de Pagamento de Débitos Municipais

Com salários atrasados, funcionários de Casas Terapêuticas protestam na Câmara

Exame de Doria dá negativo para coronavírus

Município de Sorocaba caminha para proibir o uso de canudinho. E o isopor?

“Jack Ryan” acerta com narrativa de espionagem e rende boa maratona

“Gosto de causar”, diz Sabrina Sato após surgir coberta só por franjas no Rio de Janeiro