Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Polícia: travestis mataram morador de rua após cobrança de taxa de prostituição

Postado em: 25/03/2019

Compartilhe esta notícia:

A motivação do assassinato de um morador de rua, identificado como William Rabelo de França, de 27 anos de idade, morto por travestis na rodoviária de Sorocaba nesta tarde de segunda-feira (25), teria sido uma uma cobrança de taxa de prostituição exigida pela vítima.

A informação foi divulgada pela Polícia Militar. O corpo de França, morto com cerca de 20 facadas, foi recolhido ao IML (Instituto Médico Legal). Até o momento, a identidade dele não foi descoberta.

width=960
Facas apreendidas pela PM utilizadas no crime. Foto: Polícia Militar/divulgação

A informação preliminar era de que as travestis teriam se vingado do morador de rua após ele ter roubado-as.

O homicídio ocorreu por volta das 16h30. Cerca de sete viatura da PM foram ao local. O crime ocorreu na área de desembarque da rodoviária. Três travestis foram presas.

width=960
Foto: Gustavo Ferrari/Ipa Online

O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado para atender a vítima. De acordo com ele, foram constatados no corpo do morador de rua aproximadamente 20 perfurações no tórax e abdômen. Quando os paramédicos chegaram, ele estava em parada cardio-respiratória. Foram feitas manobras de ressuscitação, porém sem sucesso.

Segundo os comerciantes, no sábado à noite já havia ocorrido confusão entre os moradores e as travestis, inclusive uma briga com cadeiradas.

width=960

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Beneficiários nascidos em junho recebem nesta quarta-feira (11) auxílio emergencial

Mulher fratura perna ao colidir em ônibus próximo ao terminal Santo Antônio

China usa teste anal com cotonete para detectar Covid-19 e diz que técnica é mais precisa

Argentina supera marca de 1 milhão de casos de covid-19

Aliados ligam aprovação de Bolsonaro a ações na pandemia, e oposição diz que mérito é do Congresso

PAT orienta população sobre página falsa nas redes sociais