Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Taty Pólis “mostra força” com Crespo e causa mudanças na Secom

Postado em: 07/03/2019

Compartilhe esta notícia:

A Prefeitura de Sorocaba publicou na edição desta quarta-feira (6) da imprensa oficial, que foi disponibilizada apenas hoje (7) pelo Executivo Municipal, as portarias com a retirada dos cargos de chefia de funcionários públicos lotados na Secretaria de Comunicação e Eventos. Mensagens enviadas por aplicativos de mensagens na última semana previram as mudanças na Secom, como retaliação sobre o “Caso Taty Polis”, a ex-assessora do prefeito José Crespo que atualmente presta serviço voluntário ilegal na administração municipal. O secretário Eloy de Oliveira, titular da pasta, foi questionado pela reportagem, e afirmou que as alterações são “remanejamentos internos necessários”.

O caso veio à tona após matérias do Ipa Online e da TV Tem que denunciaram o trabalho da ex-assessora Tatiane Pólis, que segundo a Prefeitura presta serviço voluntário em assessoria e consultoria nas áreas de Gestão Comercial, Comunicação, Administração e Marketing, o que é proibido tanto pela lei federal que rege o voluntariado como pelo decreto municipal assinado pelo próprio prefeito José Crespo.

Segundo fontes do Paço Municipal, os funcionários removidos da Secretaria de Comunicação e Eventos não eram “da confiança de Pólis” e seriam os responsáveis por vazar as informações. As mesmas fontes que previram a remoção destes funcionários também preveem a saída do secretário Eloy de Oliveira do cargo para os próximos dias, em virtude de uma quebra de confiança com a ex-assessora e o prefeito José Crespo.

As portarias 84.331 e 84.332 foram assinadas pelo secretário de Recursos Humanos, Osmar Thibes, com a data de ontem (6). Removidos dos cargos de chefe de Divisão de Eventos e Cerimonial, e chefe de seção de Eventos, os funcionários públicos voltam aos seus cargos de origem. Segundo fontes do Paço Municipal, eles devem ser transferidos para a secretaria de Esportes e Lazer e para a recém-criada secretaria de Políticas sobre Drogas, Resgate Social do Morador de Rua e Direitos das Pessoas com Deficiência e Idosos.

Câmara abre CPI

A Câmara Municipal de Sorocaba instaurou Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o caso dos falsos voluntários que atuam no Paço Municipal. O requerimento de abertura da CPI foi proposto pela vereadora Iara Bernardi (PT) e assinado pelos vereadores Renan Santos (PCdoB), Fernanda Garcia (PSOL), Francisco França (PT), Hélio Brasileiro (MDB), Rodrigo Manga (DEM) e Péricles Régis (MDB). A parlamentar afirmou que gravações e vídeos embasaram o pedido.

Segundo Iara, a CPI irá apurar e investigar “denúncias de fatos e possíveis violações gravíssimas ao serviço público municipal, causados por usurpação de função pública, camuflados por ‘falsos serviços voluntários’, resultando em assédios morais, intimidações, tráfico de influência e prejuízos ao erário público”.

“Esperamos que seja uma CPI rápida, certeira, e que tenha consequências. Temos uma imensidão de denúncias que vem chegando por redes sociais, com gravações e vídeos sobre os ‘falsos voluntários’ que atuam na Prefeitura. É obrigação da Câmara fazer análise e a CPI”, disse ela na Tribuna. “Queríamos falar de outras coisas, mas esse tema é obrigação da Câmara tratar”, concluiu.

A parlamentar petista entregou o requerimento de abertura da CPI diretamente para a Mesa Diretora. Com essa medida, segundo o Regimento Interno, Art. 63, Parágrafo 2º, “o Presidente da Câmara criará a Comissão Parlamentar de Inquérito, nomeando de imediato seus membros”.

Agora, cabe ao Presidente da Casa, Fernando Dini (MDB) proceder à nomeação dos membros da CPI. Após isso se dar, será feita a primeira reunião na qual se definirão a presidência e a relatoria da CPI.

Caso vai parar na polícia

O prefeito de Sorocaba José Crespo (DEM), assim como sua ex-assessora e agora voluntária Tatiane Pólis (do caso Diploma Falso), também será investigado pela Polícia Civil. A investigação irá apurar se o democrata cometeu crime de responsabilidade e falsidade ideológica por manter Taty Pólis na prefeitura por meio de voluntariado. Já a investigação sobre a ex-assessora será feita para descobrir se ela cometeu o crime de Usurpação de Função Pública.

Segundo um documento – veja abaixo – apresentado pela Prefeitura de Sorocaba, Tatiane Pólis trabalharia como voluntária em assessoria e consultoria em gestão comercial, administração, marketing e comunicação e teria como local base de serviço o endereço da Prefeitura de Sorocaba. Apesar de o termo indicar que a ex-assessora pode cumprir 5 horas semanais em dias variados, denúncias indicam que ela passa a maior parte do dia na prefeitura. O registro de voluntariado não seria válido, pois ele não segue o regulamento do decreto 22.930, este feito pelo próprio prefeito.

Na tarde desta quinta-feira (28), o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (SSPMS), Salatiel Hergesel, esteve na Delegacia Seccional para solicitar investigação sobre a possível existência de infração cometida pela ex-assessora. O delegado recebeu a denúncia e vai abrir inquérito.

Termo de adesão de voluntariado

O termo de adesão de voluntariado da ex-assessora do prefeito José Crespo (DEM) não segue o decreto criado pelo próprio chefe do Executivo que regulamenta o serviço voluntário. Antes de o documento vir à público, uma reunião emergencial havia sido convocada, na tarde de segunda-feira (25), na prefeitura, para tentar solucionar o assunto.

O Ipa Online obteve acesso ao documento, que é assinado por Crespo e pela ex-assessora. O decreto 22.930, que regulamenta o serviço voluntário, indica que o cadastro seja feito por meio da Secid (Secretaria de Cidadania e Participação Popular). Ou seja, o documento assinado pelo prefeito não seria válido.

Confira

width=537

Trabalho voluntário

O trabalho voluntário nos órgãos públicos de Sorocaba é regido pela Lei nº 6.406, de 4 de junho de 2001, e foi regulamentado pelo decreto 22.930, assinado pelo prefeito José Crespo em 19 de julho de 2017. Nele, existe a impossibilidade de contratar pessoas com condenações na justiça, sem comprovação de escolaridade e também sem renda pessoal comprovada.

O caso da ex-assessora, se comprovada a influência em atos e ações do Executivo Municipal, é tipificada como crime no Código Penal Brasileiro, em seu artigo 328, como usurpação da função pública, ou seja, exercer ou praticar ato de uma função que não lhe é devida. A punição se dá quando alguém, indevidamente, utiliza uma função pública alheia, praticando algum ato ou vontade correspondente.

O prefeito José Crespo (DEM) foi indiciado, em outubro de 2018, por crime de responsabilidade na nomeação da ex-assessora, no caso do “Diploma Falso”. Tatiane Pólis foi condenada por apresentar diploma falso para ocupar o cargo de assessora do Executivo. Em 2017, Crespo chegou a ser afastado do cargo por 45 dias, em virtude do caso.

Tatiane Pólis foi condenada pela Justiça, em outubro de 2018, pelo uso de diploma falso. A decisão do juiz da 1ª Vara Criminal, Jayme Walmer de Freitas, condenou a ex-assessora a quatro anos de prisão em regime aberto e a pena será revertida em multa e prestação de serviço.

O caso

A ex-assessora da Prefeitura de Sorocaba, Tatiane Pólis, tem prestado serviços ao governo do prefeito José Crespo de modo ilegal, segundo decreto assinado pelo próprio chefe do Executivo, em 2017. A ex-funcionária, que foi condenada a quatro anos de prisão em regime aberto no caso do diploma falso, com pena revertida em multa e prestação de serviço, tem sido flagrada em diversos eventos da prefeitura, como inaugurações e reuniões nos gabinetes do 6º andar do Paço Municipal. A ação é tipificada criminalmente como Usurpação de Função Pública, de acordo com o artigo 328 do Código Penal.

Denúncias anônimas na internet têm citado diversas interações da ex-assessora com secretários municipais e lideranças comunitárias. Um áudio que circulou a internet nesta segunda-feira, atribuído a uma liderança comunitária do Jardim Ipiranga, fazia menção à capacidade da ex-assessora em influenciar decisões dentro da prefeitura. Ela também foi flagrada em diversos eventos, como os projetos Gabinete no Bairro, inauguração da UPH Zona Norte e até em reuniões no gabinete do 6º andar do Paço Municipal sobre o projeto Fala Bairro.

width=1096
Taty Pólis no gabinete do prefeito José Crespo, sentada à mesa de reunião há duas semanas, discutindo o Fala Bairro

Segundo informações enviadas à TV TEM Sorocaba, a Prefeitura já informava em 13 de dezembro que a ex-assessora era voluntária, mas o termo de voluntariado enviado pela Administração Municipal era datado de 17 de dezembro. Até o momento, ela não aparece no cadastro de voluntários da Secretaria de Cidadania.

A Secretaria de Cidadania informou que a documentação de Taty Polis estaria diretamente com o prefeito e não na pasta. Já a Secom informou à TV TEM que Taty Polis é voluntária desde 17 de dezembro, contrariando um próprio e-mail da secretaria à emissora, que dizia que a assessora já estava no voluntariado do Paço desde o dia 13 de dezembro.

Taty Polis também aparece em conversas de um grupo do WhatsApp intitulado Secom 2019, que possui os servidores que trabalham na Secretaria de Comunicação e Eventos. Algumas trocas de mensagens indicam a participação ativa da ex-assessora na pasta. Em uma delas, inclusive, ela cita ter uma agenda com o prefeito.

width=434
Crédito: Reprodução/G1
width=340
Crédito: Reprodução/G1

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Diarista é atropelada e morta a facadas pelo ex-marido em Sarapuí

Copa de Hipismo acontece neste sábado em Sorocaba

Pesquisa indica que 16 milhões de brasileiros vivem sem nenhum dente

Jovem casada simula próprio sequestro para ficar com amante em Sorocaba

Crespo chama de “mentor da corrupção” ex-secretário que revelou e-mails

Mulher tem nariz fraturado após ser agredida por enteado durante briga