Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Supermercado, eletrodoméstico e móveis voltam a nível pré-crise

Foto: Agência Brasil
Postado em: 13/08/2020

Compartilhe esta notícia:

Nicola Pamplona, FOLHAPRESS


Com a flexiblização do distanciamento em grande parte do país, o comércio teve o segundo mês consecutivo de alta em junho e já recuperou o patamar verificado em fevereiro, antes da pandemia. Ainda assim, fecha o primeiro semestre com o pior resultado desde 2016.


De acordo com o IBGE, as vendas do varejo no país subiram 8%, após avanço recorde de 13,9% em maio. Com os dois meses de alta, o setor fechou o mês 0,1% acima do registrado em fevereiro.


A retomada do nível anterior, porém, foi puxada pelas vendas dos supermercados, que representam 52,8% do indicador. "Esse movimento tem de ser relativizado, pois o crescimento das vendas foi muito desigual", diz o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.


Além dos supermercados, outras duas atividades voltaram ao nível pré-crise: material de construção e móveis e eletrodomésticos. Mas todos os outros segmentos continuam bem abaixo. Um dos mais atingidos, tecidos, vestuários e calçados, ainda tem vendas 45,8% menores que fevereiro.


O gerente do IBGE destacou também que o nível de fevereiro já era baixo. No primeiro bimestre de 2020, as vendas do varejo brasileiro recuaram 1% em relação ao registrado no fim de 2020. Em 2020, o varejo acumula recuo de 3,1%.


O chamado varejo ampliado, que inclui as vendas de automóveis, cresceu 12,6% em relação a maio, mas registra queda de 0,9% em relação a junho de 2019.


No semestre, as vendas no varejo registram queda de 5,2% em relação ao semestre anterior, abaixo apenas dos 6,9% do primeiro semestre de 2016, quando o Brasil vivia fortes impactos da recessão. As vendas no setor estão 4,8% abaixo do melhor nível da série, que ocorreu em outubro de 2018.


"Estamos longe do melhor [momento do setor], mas estamos no mesmo nível pré-crise", disse o gerente do IBGE. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, as vendas do varejo fecharam junho em alta de 0,5%.


Para Santos, a adaptação ao comércio eletrônico e o auxílio emergencial ajudaram na recuperação das atividades que já retomaram o nível anterior. "As pessoas estão passando mais tempo em casa, entendendo as necessidades, e pode ser que essa renda do auxílio acabe virando consumo e não poupança."


A única atividade que registrou queda em junho, na comparação com o mês anterior, foi artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-2,7%), que não sofreu tanto os efeitos da pandemia.


Por outro lado, as maiores altas se deram em livros, jornais, revistas e papelarias (69,1%), tecidos, vestuário e calçados (53,2%), móveis e eletrodomésticos (31%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (26,1%).


Com a retomada das vendas, a CNC revisou suas projeções de queda nas vendas em 2020, que passaram de 6,3% para 4,7%. No varejo ampliado, que inclui as vendas de automóveis, o número passou de 9,2% para 6,9%.


Para a entidade, a menor adesão ao distanciamento social e o auxílio emergencial ajudaram a melhorar o desempenho do setor. "A extensão do benefício, nos moldes atuais, até dezembro também poderá acelerar o processo de recuperação das vendas", defendeu o presidente da CNC, José Roberto Tadros.


A CNC estima que, entre em março e julho, os prejuízos do comércio tenham sido de R$ 286,4 bilhões. O setor, porém, tem apresentado perdas menos intensas nos últimos meses. Em julho, foram quase R$ 10 bilhões a menos que os R$ 54,6 bilhões de junho.


Junho marcou a reabertura do comércio de rua em São Paulo, principal mercado do país, medida que era vista pela indústria como uma das principais esperanças de retomada após o tombo recorde registrado no início da crise.


Respondendo à retomada das vendas na ponta, a indústria registrou crescimento de 8,9% naquele mês, também o segundo mês seguido de alta. Principal motor da economia brasileira e ainda sem sinais de recuperação, o setor de serviços terá o resultado de junho divulgado nesta quinta (13).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sorocaba registra 99 casos de dengue; prefeitura realiza arrastão de combate

Shopping Cidade tem exposição inédita Beatles Revolution

Educação SP abre período de transferências para escolas do Programa Período Integral

Apesar das mais de 178 mil mortes por Covid no país, Bolsonaro diz que governo agiu bem na pandemia

Prefeitura recebe R$ 1 milhão da Câmara para auxílio no combate ao coronavírus

Associação de bares e restaurantes diz que entrará na Justiça contra restrições do governo de SP