Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Polícia apura agressão por homofobia no Hopi Hari; uma das vítimas é da região de Sorocaba

Postado em: 07/01/2020

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

A Polícia Civil de Vinhedo (79 km de São Paulo) investiga a agressão sofrida por cinco mulheres no Hopi Hari no último domingo (5). As mulheres, que são homossexuais, dizem que a violência, praticada por três homens, foi motivada por homofobia. Uma das vítimas é da região de Sorocaba. 

A fotógrafa Gabrielle Amato, 26, foi uma das vítimas. Ela diz que estava com a mulher, Carol Amato, 23, e mais três amigas duas delas, Mayara Mahmad, 26, e Amanda Bezerra, 19, são namoradas.

Segundo Gabrielle, o grupo estava na fila da Montezum, montanha-russa do Hopi Hari, jogando jokenpô para decidir a distribuição delas no carrinho da atração.

"Foi quando um homem que estava atrás da gente, junto com um senhor de idade, chegou perto e perguntou se a gente estava brincando. Na hora eu realmente pensei que ele quisesse fazer o jokenpô, porque estava um clima muito leve, a gente estava se divertindo. Perguntei se ele queria brincar e ele ficou furioso. Aí as agressões começaram", disse Gabrielle.

De acordo com ela, o homem mais velho segurou o cabelo de uma de suas amigas e bateu na nuca dela. O mais novo a empurrou. Eles seriam pai e filho, segundo Gabrielle. A vítima disse ainda que um terceiro homem deu um soco na cara de Mayara, que caiu no chão.

Em uma rede social, Gabrielle publicou fotos dos hematomas nela e nas colegas. "Os hematomas passam. Mas a sensação de insegurança fica, é uma situação horrível. Sou casada há dois anos, nunca imaginei apanhar por ser gay", disse Gabrielle.

A fotógrafa conta ainda que esse terceiro agressor disse que Mayara apanhou por ter cara de homem. 

As agressões foram contidas por funcionários e seguranças do Hopi Hari. As vítimas foram levadas para uma sala do parque, onde receberam atendimento médico.

Em seguida, como a Delegacia de Vinhedo não funciona em esquema de plantão, foram para uma delegacia em Carapicuíba registrar boletim de ocorrência Gabrielle e Carol moram em São Paulo e Amanda, em Santo André. Mayara é de Itapetininga. A quinta amiga, Natália, veio de Curitiba passar o Ano Novo com as colegas.

Nesta segunda-feira (6), elas passaram por exame de corpo de delito no IML (Instituto Médico Legal) de Osasco. Mas, segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública), a investigação ficará a cargo da Delegacia de Vinhedo, cidade onde fica o parque.

A SSP não afirmou se os suspeitos já foram identificados ou ouvidos. A reportagem não conseguiu localizar os agressores ou sua defesa.

No domingo, o Hopi Hari emitiu uma nota sobre o caso afirmando que "repudia veementemente todo tipo de agressão, violência e discriminação, lamenta o ocorrido e se coloca à disposição das vítimas para toda assistência que se fizer necessária".

"De imediato, os colaboradores da atração, bem como nossos seguranças intervieram para interromper o episódio e encaminharam todos os envolvidos para o Serviço de Atendimento ao Visitante (SAV) e para a sala de segurança do parque".

As mulheres, diz a nota, "apresentaram hematomas e receberam atendimento imediato no ambulatório médico do Hopi Hari. As vítimas alegam que as agressões foram motivadas por homofobia. A Polícia Militar foi acionada e está apurando os fatos. As visitantes foram instruídas a realizar exame de corpo de delito e boletim de ocorrência".

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Romu detém acusado de tráfico de drogas no jardim Itanguá

Projeto quer buscar novas soluções para atrair passageiros ao transporte público

Sorocaba debate implantação de protocolo de saúde à população LGBT

Câmara aprova projeto que diminui participação popular na Tribuna

Último programa eleitoral tem ataque entre presidenciáveis

Adolescentes flagrados com 350 porções de drogas são liberados de delegacia após GCM detê-los