Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Símbolos da desigualdade, aposentados precisam continuar trabalhando no Chile

Brazil Photo Press/Folhapress
Postado em: 16/11/2019

Compartilhe esta notícia:

Patrícia Monteiro, da Folhapress

Assim como a maioria dos aposentados do Chile, Maria Luz Navarrete Alarcón precisa continuar trabalhando durante a velhice para pagar as contas e manter uma vida digna na casa onde mora, em Santiago, com os três filhos e uma neta.

Alarcón, 70, trabalhou por 30 anos como contadora no Instituto de Previsión Social, órgão do Ministério do Trabalho chileno, e sempre se posicionou contra o modelo de aposentadoria implementado em 1981, durante a ditadura militar de Augusto Pinochet.

As chamadas AFPs (Administradoras de Fundos de Pensão) gerenciam dinheiro dos contribuintes investindo no mercado financeiro. O sistema de aposentadoria é um dos grandes pontos de insatisfação da população.

O conflito atual leva jovens e idosos como Alarcón a se manifestarem e provocou uma resposta dura do presidente, que colocou o Exército para reprimir a população, algo que não acontecia desde o período do regime de Pinochet.

Militante do movimento No+ AFP, ela trabalha como zeladora em um edifício para complementar a renda e conseguir terminar de pagar as prestações de sua casa, adquirida há 20 anos.

Por ter sido servidora pública e contribuído por mais tempo que o mínimo -20 anos-, sua aposentadoria, de 500 mil pesos (R$ 2.708), é considerada alta, ainda que não seja suficiente. Com a zeladoria, ela ganha mais 360 mil, somando um valor de R$ 4.660.

Segundo a Fundação Sol, 94% das chilenas aposentadas recebiam menos de 155 mil pesos chilenos (R$ 840) em 2016. Entre os homens, a taxa era de 87,5%. Hoje, o salário mínimo é de aproximadamente 300 mil pesos chilenos (R$ 1.625). "Sou uma privilegiada em relação à bruta realidade da maioria. Mas vivo. A maioria subsiste."

Alarcón luta contra uma depressão devido à artrose nos joelhos, além das dificuldades do alto custo de vida. "É importante que saibam que esse sistema não funciona. A AFP me tirou tudo", diz. "Os donos das AFPs têm ganhos escandalosos [com especulação financeira] e nós temos perdas."

Isso porque o sistema, além de impor uma contribuição obrigatória de 10% do salário a todos os trabalhadores, é recalculado todos os anos, aumentando a expectativa de vida do trabalhador -e, por isso, diminui o valor que o aposentado recebe por mês. "Temos que pagar comissões [para que as AFPs administrem o dinheiro] e calculam que vivemos 110 anos. Eu tive estabilidade e um bom cargo, mas minha pensão é 50% do que foi meu salário, e cai todo ano."

Mesmo tendo uma alta renda per capita, de quase US$ 16 mil (R$ 67.140), a desigualdade social no Chile é muito grande e, segundo Alarcón, a qualidade de vida da maioria trabalhadora ainda é muito baixa.

Apesar das dores e do cansaço, ela não perde as esperanças de um Chile menos desigual. "Ao longo dos anos temos sido ignorados, humilhados. Aprendemos a lição. Se com caos o governo ainda não entende o que queremos, teremos que incendiar o país."

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sorocaba terá ‘Dia D’ de Mutirão da Saúde para realizar mais de 4 mil atendimentos

PM, Prefeitura e Urbes fazem nova ‘varredura’ na região da Feira da Barganha

Depois de quase dois anos de tratativas, enfim PAT vai descentralizar atividades para as Casas do Cidadão

Mulher apontada como chefe do tráfico é presa no Nova Esperança

Sorocabanos tomam posse nesta 6ª e devem eleger Rodrigo Maia para Câmara

Traficante ‘dá bandeira’ e trio é preso com porções de cocaína, crack e pé de maconha