Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Ronaldinho Gaúcho e irmão são detidos pela polícia do Paraguai

Agência Brasil
Postado em: 07/03/2020

Compartilhe esta notícia:

Folhapress

A polícia paraguaia prendeu preventivamente na noite desta sexta-feira (6) Ronaldinho Gaúcho, 39, e seu irmão Roberto de Assis, 49, após ordem da Procuradoria-Geral do país.

A prisão preventiva no Paraguai é medida utilizada quando se acredita na existência do risco de fuga da pessoa investigada. Ela pode durar até 48 horas, prazo máximo para que o detido seja submetido a um juiz ou que a detenção seja revogada.

O ex-jogador e o irmão foram levados por agentes para a Agrupácion Especializada da Policia Nacional, em Assunção. Eles estavam hospedados no hotel Sheraton. O local da detenção é improvisado, normalmente utilizado para reclusão de pessoas ligadas a grupos criminosos e narcotraficantes.

Procurado pela reportagem, o advogado dos irmãos Assis, Sérgio Queiroz, não se manifestou até a publicação deste texto.

Nesta tarde, a Justiça paraguaia não aceitou a posição do Ministério Público de não levar adiante uma investigação sobre a dupla, que entrou no país com documentos de identificação falsos na última quarta-feira (4) para uma série de eventos.

Após mais de seis horas de audiência com os brasileiros nesta sexta, foi determinado que o caso fosse remetido para a procuradora-geral do Estado, Sandra Quiñónez, que poderá manter ou rever a decisão inicial da Promotoria em até dez dias.

O instrumento jurídico "critério de oportunidade", presente no código penal paraguaio, havia sido usado pelo Ministério Público como embasamento para livrá-los do processo penal.

Na quinta-feira (5), o promotor Frederico Delfino declarou que os brasileiros admitiram o delito, mas estariam livres de uma punição porque teriam sido "enganados em sua boa-fé".

A possibilidade de prescindir da ação penal costuma ser adotada em casos de crimes financeiros, quando o autor admite o delito, mas não possui antecedentes criminais no país e colabora com a investigação. O juiz do caso, Mirko Valinotti, discordou de que esse critério pudesse ser utilizado no momento.

Como não foram adotadas medidas cautelares, não havia impedimento legal para que Ronaldinho e Assis deixassem o país. Após saírem da audiência com a Justiça, eles voltaram para o hotel, onde foram detidos.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Crespo e Taty Pólis cometeram atos ilícitos e irregulares, conclui CPI do Voluntariado

TSE diz que 964 urnas foram substituídas até as 14h

Trump se defende e diz que pagou ‘milhões de dólares em impostos’

522 mil empresas fecharam as portas por pandemia, diz IBGE

Taty Polis causou troca de comando de contrato milionário, diz Eloy

Com mais leitos de UTI, Santa Casa ainda registra 100% de ocupação para covid-19