Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Roberto Alvim diz desconfiar de "ação satânica" por trás de vídeo e de sua demissão

Foto: Folhapress
Postado em: 20/01/2020

Compartilhe esta notícia:

Folhapress

 

Demitido após ter sido associado ao nazismo, o ex-secretário da Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim compartilhou uma mensagem em grupos de WhatsApp na qual diz desconfiar de uma "ação satânica" por trás de sua demissão.

 

O dramaturgo e diretor de teatro foi exonerado pelo presidente na sexta (17). Na quinta, ele havia publicado o vídeo, no qual fez uso de trechos de um discurso de Joseph Goebbles, ministro da Propaganda de Hitler na Alemanha nazista. 

 

"Eu, Roberto Alvim, afirmo a quem interessar possa: eu escrevi o texto do meu discurso no vídeo, a partir de várias fontes e ideias, que me chegaram de muitos lugares", diz o dramaturgo na mensagem, que foi compartilhada pelo diretor de cinema Josias Teófilo em sua página no Facebook. "Afirmo que não sabia que aquela frase tinha uma origem nazista, porque a frase em si não tinha nenhum traço de nazismo, por isso não percebi nada errado ali", prossegue. "Errei terrivelmente ao não pesquisar com cuidado a origem e a associações de algumas frases e ideias".

 

No fim do texto, Alvim afirma que está orando sem parar. "Começo a desconfiar não de uma ação humana, mas de uma ação satânica em toda essa horrível história".

 

Com sua demissão, ficou aberta a vaga na Cultura. O governo convidou Regina Duarte para a cadeira e espera uma resposta da atriz ainda na tarde desta segunda-feira (20).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

PRF faz apreensão recorde de quase 30 toneladas de maconha que seriam levadas a Itapetininga

Encontro virtual vai reunir pessoas que já fizeram e fazem parte da história do Parque da Biquinha

Prefeitura culpa população e Estado, e promete 20 leitos de Covid-19 até sexta

Prefeitura retoma atendimentos ao público nesta quarta-feira

Tribunal ignora STF, condena Lula e amplia pena em caso do sítio de Atibaia

Embate entre policial youtuber e coronel no Rio de Janeiro gera tensão e chega a Moro