Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Reforma tributária do governo é ‘Robin Hood às avessas’, diz presidente da OAB

Jovem Pan News
Postado em: 22/07/2020

Compartilhe esta notícia:

Jovem Pan News

A proposta de reforma tributária do governo federal apresentada ao Congresso é perversa, injusta e aumentará a desigualdade social brasileira, afirma Felipe Santa Cruz, presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A criação de um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) federal com alíquota de 12% “sufocará” o setor de serviços com o aumento da carga tributária, segundo o advogado. Atualmente o setor é taxado em 3,6%. 

“Isso não é reforma, é aumento de carga tributária. É compreensível que o governo esteja preocupado com a questão fiscal. Mas não se pode pegar uma discussão que está sendo feita há décadas e transformá-la em uma colcha de retalhos. Mata a ideia de reforma”, afirma à Jovem Pan. 

A proposta da equipe econômica é unir os impostos PIS e Cofins — que incidem sobre receita, folha de salário e exportações - em uma única Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS). O governo defende que essa medida irá trazer mais transparência e segurança jurídica às empresas e consumidores, e que o aumento da alíquota será compensando pelo sistema de créditos ao longo da cadeia de produção. 

Especialistas tributários, no entanto, apontam que a união impactará negativamente o segmento de serviço, o maior gerador de empregos do Brasil, porque o setor está na ponta final da atividade econômica, portanto não terá de quem deduzir este crédito. Para outras áreas, como a indústria, será mais vantajoso pois conseguirá mitigar parte da taxação ao longo da cadeia de produção.

O presidente da OAB afirma que a unificação em uma alíquota única para todos os ramos da atividade econômica aumentará a desigualdade do país. “O governo está agindo como um Robin Hood às avessas: está tirando dos pobres para dar aos ricos. O mundo todo discute o aumento da carga tributária dos setores econômicos mais ricos. O Ministério da Economia, para não onerar esses setores, irá entregar a conta da pandeia para a classe média.” 

Para Santa Cruz, a CBS é uma “traição” de Paulo Guedes com a política liberal. “O que está em voga não tem nada de menos Brasília e mais Brasil. É mais concentração de renda na mão da União, é enfraquecimento de estados e municípios e contraproducente com tudo o que vinha sendo feito.”

A OAB está se mobilizando com outras entidades do setor de serviços para pressionar o Congresso contra a proposta de reforma. A ideia, afirma Santa Cruz, é construir um novo texto rebatendo as sugestões do governo e apresentando novas alternativas. A previsão é enviar a “reforma paralela” aos deputados e senadores até setembro. 

“Somos os maiores interessados em um modelo mais justo e racional. Reforma é estrutura, é pensar o modelo e corrigir o que está errado. O aumento unilateral da carga, em um país já em decadência, é tirar o oxigênio do moribundo”, afirma. 

Entre as divergências com o projeto do governo federal, o presidente da OAB destaca a mudança na taxação de dividendos e a criação de um novo imposto sobre transações digitais. “Somo contra essa nova CPMF, que o governo chama de outra coisa. Isso já foi discutido um milhão de vezes, e espero que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, mantenha a sua posição contra esse imposto.”

 

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sorocaba inicia monitoramento de 88 pontos de risco com Plano Verão

Motorista morre após bater carro na região da Vila Jardini em Sorocaba

PF deflagra operação para conter tráfico de drogas pelas redes sociais

Saae vai iniciar rodízio de água nesta quinta-feira em bairros de Sorocaba

Sistema BRT e Consor reforçam higienização da frota com tecnologia ultravioleta

Romu detém traficante com mais de 600 porções de drogas na Vila Astúrias