Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Rafael Zulu se revolta com retorno de William Waack à TV: ‘Branco que não gosta de quem tem pele preta’

Postado em: 05/06/2019

Compartilhe esta notícia:

Leonardo Volpato, FOLHAPRESS

Dois anos após ser demitido da TV Globo por fazer um comentário racista que acabou indo ao ar, o jornalista William Waack, 66, acaba de ser contratado pela CNN Brasil. O fato, porém, tem gerado fúria em algumas pessoas. Uma delas é o ator Rafael Zulu, 36, que em sua conta do Instagram chamou o apresentador de “branco racista”.

“Acabei de ter uma grata surpresa, na verdade uma péssima surpresa, de saber que William Waack é o novo contratado da CNN Brasil. William Waack é aquele cidadão racista. Que fique muito claro que ele é racista, tá?”, disse.

Ele continuou: “E antes que pareça que eu seja o chorão e tudo mais, quero só dizer para vocês de maneira sarcástica e obviamente debochada que deu a lógica. Um branco racista que não gosta de quem tem a pele preta, faz o que faz, ou seja, age de maneira racista e volta com a cara mais lavada do mundo.”

O ator se disse um telespectador da CNN, mas que sua audiência está com os dias contados. “Para mim o que mais impressiona não é ele estar trabalhando, mas quem admite ele. Quem admite ele não merece mesmo o meu respeito. Você, CNN, não merece mais o meu respeito. Você não me tem mais para contribuir com a sua audiência”, comentou.

Além de Waack, a CNN também admitiu o jornalista Evaristo Costa, ex-Globo. O jornalista será responsável pela condução de uma revista eletrônica direto de Londres.
Procurada, a CNN Brasil ainda não havia se manifestado.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Após candidatura de Lula barrada pelo TSE, PT tem dez dias para indicar substituto

Skaf relembra caso Vitória Gabrielly e fala em integração da Polícia Civil e Militar

Poste de energia cai em cima de UBS em Votorantim e consultas são remarcadas

Após acordo com Bolsonaro, Congresso mantém veto ao Orçamento impositivo do Executivo

Casal rouba smartphones de loja no Centro de Votorantim e se dá mal

Mais de 2 mil pessoas trans já mudaram de nome em cartório em um ano