Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Colunista: quando vejo alunos envolvidos na literatura, acende uma esperança

Postado em: 29/09/2018

Compartilhe esta notícia:

O DEDA QUESTÃO

A esperança é o sentimento de quem vê como possível a realização daquilo que deseja: confiança em coisa boa. Eu fui inundado por essa alegria quando vi que alunos da Escola Municipal “João Francisco Rosa”, da Vila Angélica, zona norte de Sorocaba, estão desenvolvendo o projeto de leitura e escrita intitulado “Pequenos Inventores, Grandes Produções”, que tem como proposta produzir livros artesanais que representam a continuidade dos estudos e reflexões das atividades relacionadas à escrita que são passadas durante o ano em sala de aula.

Num momento em que o ódio, ignorância e irracionalidade dominam parte do debate eleitoral, onde o uso de arma de fogo é celebrado como se fosse possível fugir da violência com mais violência, esse projeto aparece como um oásis de esperança de um futuro melhor onde o livro é o instrumento de transformação, formação e toda-ajuda (parafraseando os livros de auto-ajuda) que um indivíduo precisa dar a si próprio ao longo de sua vida. “Toda literatura consiste num esforço para tornar a vida real”, escreveu Bernardo Soares, o semi-heterônimo de Fernando Pessoa, na obra “Livro do Desassossego”. Num outro trecho, ele ratifica: “são intransmissíveis as impressões salvo se as tornarmos literária”.

Parabéns ao diretor da escola, Odirlei Paulino dos Santos, que deu espaço para que esse projeto, nascido a partir da ideia das professoras, há 5 anos, se mantenha vivo.

Neste ano, estão participando do projeto 550 alunos, com idades entre quatro e dez anos, da Educação Infantil (pré I e II), centrados na produção de desenhos e Ensino Fundamental (1º a 5º ano), com produção de textos e ilustrações.

São 550 sementes plantadas que darão ótimos frutos, não resta dúvida.

Mergulho no conto

Nesse ano o tema escolhido pela turma do 4º ano, por exemplo, foi o gênero conto. A professora propôs às crianças que deslocassem os personagens para outro cenário. E foi isso que o jovem Paulo Roberto Santos Moreira, de 9 anos, fez.

Ele escreveu a história do Polegar com a Cinderela e a Bela Adormecida. “O que eu mais gostei de fazer foi misturar as histórias. Eu gosto do projeto porque as pessoas podem soltar a imaginação em um livro, o que é bem legal”, explica.

O diretor Odirlei Paulino dos Santos, lembra que “pelo motivo de desenvolvermos um trabalho muito forte em leitura e produção escrita, achamos que o livro é uma das ferramentas mais fortes em sua questão social. Inicialmente começou com um livro em aspirais, que até as mães ajudaram na confecção. E nesse processo aos poucos fomos refinando”, afirma.

Os alunos devem terminar as produções do livro no mês de outubro para poder encaminhar para a gráfica. Em dezembro os pais dos alunos poderão conhecer o trabalho final. A Escola Municipal “João Francisco Rosa” fica à Alameda Augusto Severo, 344, na Vila Angélica.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Artesp autoriza e preço do pedágio nas rodovias de SP terá aumento a partir de 2ª

Prefeitura vai multar empresa por fogos com barulho na avenida Paulista

Briga entre irmãos termina com homem autuado por tentativa de homicídio

Shopping tem campanha promocional de férias

Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA após ser confirmado líder do PSL

Astronauta e futuro Ministro, Marcos Pontes, faz palestra no Parque Tecnológico