Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Professores vão à Justiça contra ordem de Doria de recolher apostilas do 8º ano

Postado em: 10/09/2019

Compartilhe esta notícia:

Angela Pinho, FOLHAPRESS

Professores de quatro universidades públicas e um instituto federal entraram com ação popular na Justiça nesta terça-feira (10) contra a ordem do governador João Doria (PSDB) de recolher apostilas dos alunos do 8º ano das escolas estaduais de São Paulo.

O tucano justificou sua decisão, na semana passada, sob o argumento de que o material continha “apologia à ideologia de gênero”, termo não reconhecido no meio acadêmico e usado por alas conservadoras para barrar discussões sobre diversidade sexual.

O trecho que motivou a decisão de Doria reproduz publicação do Ministério da Saúde que explicava a diferença entre sexo biológico, orientação sexual e identidade de gênero. “Não há um elo imediato e inescapável entre os cromossomos, o órgão genital, o aparelho reprodutor, os hormônios, enfim o corpo biológico em sua totalidade, e o sentimento que a pessoa possui de ser homem ou mulher”, informava o texto.

Após explicar a diferença entre os três conceitos, afirmava: “Nesse sentido, podemos dizer que ninguém ‘nasce homem ou mulher’, mas que nos tornamos o que somos ao longo da vida, em razão da constante interação com o meio social.”

A Secretaria da Educação inicialmente justificou a retirada do material sob o argumento de que o conteúdo não estava previsto na Base Nacional Comum Curricular. A base, porém, prevê que, no 8º ano, o aluno saiba “selecionar argumentos que evidenciem as múltiplas dimensões da sexualidade humana (biológica, sociocultural, afetiva e ética)”. Formulação semelhante está prevista no currículo paulista.

A presença desses dispositivos nas normas educacionais é citada na ação, que pede a concessão de uma medida liminar para devolver as apostilas aos alunos e impedir que sejam destruídas ou avariadas.

Os autores da ação classificaram a ordem do governador de censura. “Não cabe ao governador produzir o currículo com base em sua própria ideologia, essa é uma tarefa que a lei atribui aos profissionais da educação, seguindo as diretrizes curriculares aprovadas nas instâncias competentes”, diz Salomão Ximenes, especialista em legislação educacional e professor da UFABC (Universidade Federal do ABC).

Além dele, assinam o pedido à Justiça Ana Paula de Oliveira Corti e Leonardo Crochik, professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP); Carmen Sylvia Vidigal Moraes e Romualdo Portela, professores da Faculdade de Educação da USP; Débora Cristina Goulart, professora da Unifesp (federal de São Paulo); e Maria Carla Corrochano, professora da Ufscar (Universidade Federal de São Carlos).

A ação foi movida com apoio do Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos. O recolhimento das apostilas é investigado pelo Ministério Público de São Paulo, que abriu inquérito civil sobre o caso na semana passada.

Na sexta-feira (6), a Secretaria da Educação publicou no Diário Oficial portaria que institui comissão para avaliar as apostilas da rede estadual. O material confiscado dos alunos do 8º ano continha conteúdo de oito disciplinas. Sem ele, professores relatam que tiveram que refazer seu planejamento didático.

Educadores relataram à reportagem que o recolhimento foi feito às pressas, sem explicação prévia. “As inspetoras passaram na sala e mandaram os alunos jogarem o material em um saco preto de lixo”, contou Douglas Nascimento, que leciona inglês em um colégio estadual de Sorocaba.

Na semana passada, a secretaria afirmou que os alunos continuam com livros do Programa Nacional do Livro Didático e que “respeita a diversidade da experiência humana” e das opiniões na sociedade, mas que a forma como o conceito de identidade de gênero foi tratado no material “revela uma abordagem ideológica do assunto, quando afirma que ‘ninguém nasce homem nem mulher”.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Infrações de trânsito podem ser denunciadas por moradores pelo WhatsApp

Edição 2019 do Enem já tem três milhões de inscritos

Motoristas têm pneus furados por ‘miguelitos’ ao passar em avenidas

Homem é preso após agredir a namorada, a amiga dela e destruir carro

Governo Bolsonaro quer melhorar imagem em meio a crises e propõe dobrar verba de publicidade

Sorocaba totaliza mais de 13 mil casos e 12 mil recuperados da Covid-19