Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Procuradoria liga ex-secretário de Paes a contrato com sócio de filho de Lula

Ricardo Borges / Folhapress
Postado em: 14/12/2019

Compartilhe esta notícia:

Italo Nogueira, da Folhapress

O Ministério Público Federal suspeita que o deputado federal Pedro Paulo (DEM-RJ) direcionou a contratação de uma empresa de Jonas Suassuna, sócio de um filho do ex-presidente Lula, para a execução de serviços da Prefeitura do Rio de Janeiro.

O suposto favorecimento teria ocorrido quando o parlamentar ocupava a Secretaria Municipal da Casa Civil, em 2011, na gestão Eduardo Paes (MDB). O Tribunal de Contas do Município aponta ainda indícios de superfaturamento num desses contratos.

A Gol Mobile, de Suassuna, foi subcontratada pela Oi e pela Contax (à época ligada ao grupo da tele) para executar serviços da Central 1746 -serviço de queixas da prefeitura.

Eles consistiam em enviar mensagens a pessoas que entrassem em contato com a central para informá-las sobre o atendimento das reclamações. Também previa a criação de aplicativos e melhorias visuais na plataforma.

O deputado negou direcionamento à Gol Mobile e disse não conhecer o filho de Lula.

A PF aponta como indício um email localizado na caixa de Suassuna, cujo sigilo foi quebrado com autorização da Justiça, em que um funcionário de Pedro Paulo afirma que o então secretário "solicitou a parceria com a Gol Mobile" para a execução do serviço.

A mensagem foi enviada em fevereiro de 2011 para funcionários da Contax e do município –entre eles Pedro Paulo– para preparar o lançamento do serviço do 1746. Ela foi reencaminhada para Jonas. Os contratos com o município só seriam assinados em julho e outubro daquele ano.

Foram assinados dois documentos para cada serviço: um para TI, firmado pela Contax, e outro para envio de SMSs, pela Oi.

De acordo com a Procuradoria, a empresa de Jonas recebeu R$ 10,9 milhões por esses serviços entre 2011 e 2014.

Embora tenha sido a tele a firmar o acordo com o município, era a empresa de Suassuna quem executava e ficava com a maior parte do pagamento referente aos SMSs.

Planilhas das duas empresas indicam que a firma do empresário recebeu 51,3% do total pago pelo município e 76% do líquido recebido pela Oi -após desconto de impostos.

Os repasses fazem parte dos R$ 132 milhões transferidos pela Oi a empresas de Suassuna e Fábio Luis Lula da Silva sob investigação na Operação Mapa da Mina, deflagrada na terça (10).

A suspeita é que o dinheiro tinha como objetivo o pagamento de despesas da família do ex-presidente. Uma parte teria sido usada na compra do sítio de Atibaia, cuja reforma gerou condenação de Lula.

Ex-diretor do Grupo Gol, Marco Aurélio Vitale afirmou à Folha de S.Paulo em outubro de 2017 que o serviço foi obtido pela empresa de Suassuna por "indicação puramente política".

"Quando algum desses pagamentos não acontecia, eles buscavam a interferência do Lula junto ao [ex-prefeito] Eduardo Paes", disse ele.

A Folha de S.Paulo revelou há dois anos que o TCM-RJ apontou suspeita de superfaturamento no serviço. O município pagou R$ 0,39 por SMSs enviados a usuários da Central 1746, enquanto havia outro acordo em vigor na prefeitura pelo mesmo serviço, que custava R$ 0,05 por mensagem.

Chamou a atenção dos auditores o fato de a prefeitura pagar valores idênticos para períodos diferentes num serviço de demanda "aleatória".

Foi o que ocorreu entre outubro e dezembro de 2011 e entre janeiro e fevereiro de 2012. Para cada um desses intervalos a Oi recebeu R$ 899.999,98, o equivalente a 2,3 milhões de SMSs em cada período.

Vitale diz que a Oi cobrou da prefeitura por SMSs não disparados. Planilha encaminhada por Suassuna a funcionários mostra que foram enviadas 709,8 mil mensagens no primeiro ano de contrato. O município pagou por 8,7 milhões de SMSs, mais do que os 6 milhões de habitantes do Rio.

OUTRO LADO

O deputado Pedro Paulo afirmou que "quem define eventual subcontratação são as próprias empresas que vencem as licitações".

"Não há nenhum documento sequer, nas 233 páginas da representação e seus anexos, que diga que fui responsável por qualquer subcontratação no projeto 1746. Nos emails juntados, verificam-se apenas cobranças de trabalho, resultados e datas dos meus subordinados em relação aos prestadores de serviços", disse.

"Não conheço Lulinha e nunca tive reunião com ele. Cabe ressaltar que nem a Polícia Federal e nem o MPF solicitaram prosseguimento de qualquer investigação em relação a minha conduta."

Procurado, Suassuna não se manifestou. Há dois anos, ele afirmou não ser o responsável pelos termos do acordo entre Oi e Prefeitura. "Eu não controlo a prefeitura. Eu sei o que eu disparei [de SMS], cobrei e recebi. Não controlo isso."

A Oi afirmou, em nota, que tem colaborado com as investigações em curso e que estabeleceu novos padrões de governança em seu plano de recuperação judicial, aprovado em dezembro de 2017.

O ex-presidente Lula disse que o Ministério Público Federal recorre a "malabarismos" para o atingir, perseguindo sua família. Paes negou na ocasião qualquer ato do petista em favor da empresa.

A defesa do filho de Lula ainda não se manifestou sobre a Operação Mapa da Mina.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Suspeito de participar de furto a caixa eletrônico é flagrado com maçarico e pé de cabra

PF faz ação de combate a tráfico de pessoas e fabricação clandestina de cigarros

Operação Dignidade aborda pessoas em situação de rua no centro de Votorantim

GCM detém em flagrante traficante que havia saído da prisão há cinco dias

Pagamento do IPVA 2020 com desconto de 3% vence nesta segunda-feira para placas final 3

Mulher é estuprada e tem casa roubada na Zona Norte de Sorocaba