Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Procurador reclama de miserê e diz que vai virar pedinte com salário de R$ 24 mil

Postado em: 10/09/2019

Compartilhe esta notícia:

Fernanda Canofre, FOLHAPRESS

“O senhor me desculpe o desabafo, eu estou fazendo a minha parte. Eu estou deixando de gastar R$ 20 mil de cartão de crédito e estou passando a gastar R$ 8 [mil], para poder viver com os meus R$ 24 mil”.

A fala foi proferida pelo procurador Leonardo Azeredo dos Santos em uma sessão da Câmara de Procuradores do MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), no dia 12 de agosto. O áudio na íntegra, com 1 hora e 40 minutos, foi publicado no site da própria instituição.

Os procuradores – cargo que equivale ao de desembargador na hierarquia da promotoria estadual – discutiam o orçamento proposto para 2020. Azeredo começou a indagar quais as soluções previstas para aumentar os salários dos membros do Ministério Público no próximo ano.

Ele questionava o procurador-geral da Justiça, Antônio Sérgio Tonet, sobre soluções que estariam sendo pensadas para garantir pagamento de “qualquer tipo de vantagem, quando passarem a receber o “salário verdadeiro”, com o fim de pagamentos retroativos.

“Como é que o cara vai viver com R$ 24 mil? O que é que de fato vamos fazer para melhorar a nossa remuneração? Ou nós vamos ficar quietos? Eu não sei se vou receber a mais, se vai ter algum recálculo dos atrasados que possa me salvar, salvar a minha pele. Eu, de qualquer forma, já estou baixando meu padrão de vida bruscamente, mas eu vou sobreviver”, afirmou.

O procurador segue no desabafo dizendo que não é perdulário, mas infelizmente “não tem origem humilde” e não está “acostumado com tanta limitação”. Ele cita, entre seus gastos, R$ 4.500 em condomínio e IPTU.

“Eu quero saber se nós, ano que vem, vamos continuar nessa situação, ou se Vossa Excelência já planeja alguma coisa dentro da sua criatividade para melhorar a nossa situação. Ou se nós vamos ficar nesse miserê aí, ainda sob ameaça de não termos aumento”, questiona ele a Tonet.

A fala de Azeredo segue ainda questionando se haverá interesse pela carreira na Promotoria, tendo em vista os salários. Com 28 anos na instituição, ele afirma que o cenário atual o levou a tomar remédios.

“Eu e vários outros, já estamos vivendo abaixo de comprimido, abaixo de antidepressivo. Eu estou falando desse jeito aqui com dois comprimidos de sertralina por dia. Eu tomo dois ansiolíticos por dia e ainda estou falando desse jeito aqui. Você imagina se eu não tomasse? Ia ser pior que o Ronaldinho. Alguma coisa tem que ser feita”.

Antecipando que poderia sofrer críticas pela fala, Azeredo disse que, sem alguma ação, a categoria poderia virar “pedinte”. “Vamos baixar mais a crista? Vamos virar pedinte quase? Alguém vai chegar e dizer ‘ora, exagero seu, você não sabe o que é um pedinte’. Mas será que estou pedindo muito, para o cargo que eu ocupo? Será que o meu cargo não merece ter uma remuneração que eu possa pagar o colégio dos meus filhos, por exemplo?”. O valor de R$ 24 mil citado por ele é uma média dos salários no Ministério Público de Minas Gerais.

Segundo o portal da transparência do MPMG, em janeiro, Azeredo recebeu bruto R$ 35.462, 22. Após o descontos, o valor líquido foi de R$ 23.803,50. Ocorre que, segundo a planilha divulgada na página do Ministério Público mineiro, ele ainda teve direito a indenizações que somaram R$ 42.256,59, mais R$ 21.755,21 em outras remunerações retroativas/temporárias.

Em julho, a última informação disponível, o bruto foi de R$ 35.462, 22 e o líquido, após descontos, foi de R$ 23.803,50. As indenizações ficaram em R$ 9.008,30 e as remunerações retroativas/temporárias foram de R$ 32.341,19.

Segundo profissionais que acompanham a estrutura do Ministério Público e falaram na condição de anonimato, o ganho total mensal vem da soma do rendimento líquido com as indenizações e as remunerações retroativas/temporárias.

Não há deduções sobre indenizações, no entanto, pela forma como estão detalhadas na planilha do Ministério Público, não é possível saber se o valor das remunerações retroativas/temporárias é bruto ou líquido.

Minas Gerais vive uma das piores situações de crise fiscal do país, com parte de pagamentos de servidores públicos atrasados e parcelados. O governador Romeu Zema (Novo) defende como saída a adesão ao RRF (Regime de Recuperação Fiscal) com a União. O plano, porém, ainda não foi apresentado ao Legislativo.

Azeredo, em sua manifestação, questiona sobre a possibilidade de que, se houver aumento no STF (Supremo Tribunal Federal), o MPMG pode não receber a reposição diante das regras previstas no acordo do RRF. O controle de contas pegaria os três poderes.

Fontes ouvidas pela reportagem negam que haja descontentamento entre a categoria pelos salários. A fala de Azeredo repercutiu mal em grupos do Ministério Público.

Por meio de nota, o MPMG classificou a manifestação do procurador como sendo de “cunho pessoal”. A instituição ressaltou que não há nenhum projeto visando adoção de benefícios para a carreira dos membros ou de servidores, em virtude da crise financeira do estado e da lei de responsabilidade fiscal.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Vigilância Sanitária apreende mais de uma tonelada de alimentos vencidos em depósito no Centro

Operação Eleições coloca mais de 2,6 mil policiais em ação na região de Sorocaba

Prefeitura e MEC discutem escola cívico-militar; programa vai começar em 2021

Prefeita de Votorantim suspende cobrança de Zona Azul durante a fase vermelha

Região de Sorocaba volta a apresentar mais um caso suspeito de Coronavírus

Prefeitura confirma "denúncia" de Manga e diz que estrutura de Hospital de Campanha será transferida da Policlínica e UBSs