Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Procon Sorocaba recebeu 63 denúncias de preços abusivos

Foto: Agência Sorocaba
Postado em: 24/03/2020

Compartilhe esta notícia:

O Procon Sorocaba recebeu, desde a última sexta-feira (20), 63 denúncias sobre possíveis preços abusivos praticados em determinados produtos, como álcool em gel e máscaras descartáveis. As denúncias foram efetuadas através do aplicativo do órgão, e-mail e pelas redes sociais do Procon. Esses números demonstrariam prática abusiva por parte dos estabelecimentos.

De acordo com o órgão de defesa do consumidor,  é muito importante que o cidadão que observa algum tipo de exagero e abuso, continue a denunciar. “Enquanto a população trabalhar também como um fiscal do Procon, a cidade estará muito mais abrangida, já que o órgão não possui ciência de todos os estabelecimentos que estão colocando preços abusivos em seus produtos”, alertou o superintendente do Procon, Carlos Rocco.

Em face da pandemia gerada pelo novo coronavírus, que causa a Covid-19,  o Procon Sorocaba não está mais atendendo presencialmente. As reclamações poderão ser registradas pelo link, desde que as empresas, alvos da reclamação, tenham aderido a plataforma. Demais denúncias poderão ser feitas pelos canais online abaixo.

Atendimento e denúncias

Aplicativo: Procon Sorocaba (baixado gratuitamente no sistema Android e IOS)

Site do Procon: http://procon.sorocaba.sp.gov.br/

Redes sociais: Instagram (@proconsorocaba) e Facebook (https://www.facebook.com/proconsorocaba/)

Central de Atendimento: http://www.sorocaba.sp.gov.br/atendimento/#/Home/Solicitacao

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Moro diz que seu lema é “fazer a coisa certa”

Protesto antifascista termina em quebra-quebra e confusão em Curitiba

PGR não recomenda a volta de Crespo; decisão de Gilmar Mendes pode sair a qualquer momento

EUA: Estátua de Cristóvão Colombo é derrubada por manifestantes em Baltimore

Motociclista morre após sofrer acidente na rodovia SP-79 em Itu

Sem apresentar provas, Bolsonaro diz desconfiar do número de vítimas do coronavírus em SP