Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Presidente busca centralizar as decisões na crise e esvazia comitê

Marcos Corrêa/PR
Postado em: 30/03/2020

Compartilhe esta notícia:

Renato Onofre e Talita Fernandes, Folhapress

A intempestividade do presidente Jair Bolsonaro e seu perfil centralizador têm esvaziado o Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19. Bolsonaro tem concentrado em si os anúncios de ações do governo de combate ao novo coronavírus. O colegiado, criado no dia 16, perdeu a função consultiva para o qual foi formado.

O esvaziamento do grupo foi sentido na semana passada, quando deixou de ter a atuação direta de ministros e passou a ser gerido por auxiliares com a criação do CCOP (Centro de Coordenação de Operações). No sábado (29), os ministros cobraram de Bolsonaro a necessidade de ter uma única voz para guiar para dentro e para fora as medidas contra a pandemia.

No mesmo dia, o ministro Gilmar Mendes, do STF, sugeriu ao presidente um comitê de crise com poderes, a exemplo do que fez Fernando Henrique Cardoso durante o apagão elétrico em 2001.
Três episódios nas últimas duas semanas deixaram claro para técnicos e ministros ouvidos pela Folha que o colegiado perdeu força.

Um exemplo é a campanha de publicidade #OBrasilNaoPodeParar, que acabou não circulando oficialmente após críticas e por decisão judicial.

O governo produziu um vídeo de duração de um minuto e meio em que são mostradas imagens de trabalhadores com o slogan de que o país não pode ser paralisado diante da pandemia. A campanha não foi discutida pelo comitê, que conta inclusive com um representante da Secom (Secretaria de Comunicação Social).

Após a publicação de reportagens sobre o vídeo, a Secom divulgou uma nota negando a existência da campanha.

Outro exemplo de ação tomada à margem do colegiado foi o pronunciamento à nação feito por Bolsonaro na terça (24), no qual defendeu a reabertura de comércios e escolas. O texto foi elaborado com a ajuda dos filhos do presidente, em especial de Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Insatisfeito com a condução da crise, o presidente, além de alterar as decisões técnicas do comitê, passou a exigir ter a palavra final sobre todas as deliberações tomadas. A centralidade atinge até as orientações do Ministério da Saúde.

No sábado (28), o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e outros sete membros do primeiro escalão foram a Bolsonaro pedir moderação e receberam sinal positivo.

Menos de 24 horas depois, Bolsonaro passeou pelo comércio de Brasília e deu um recado. "Alguns querem que eu me cale. Ah, siga o protocolo. Quantos médicos não seguem o protocolo."

Outro momento em que o comitê não foi consultado foi quando o presidente, na quarta (25), anunciou que iria determinar que a população adotasse o "isolamento vertical", deixando apenas idosos e pessoas com doenças preexistentes fora do convívio social.

Em entrevista à TV Bandeirantes, na sexta-feira (27), Bolsonaro foi questionado sobre a interferência no ministério. "Há um comandante no navio", afirmou o presidente.

Originalmente formado pelos 22 ministros, presidentes dos bancos públicos federais e o representante da Agência de Vigilância Sanitária, a atuação do comitê ficou nas mãos de 32 representantes técnicos.

A coordenação saiu do ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, escolhido por Bolsonaro como gestor da crise, e passou ao seu subordinado, o subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil, Heitor Freire de Abreu.

Uma das primeiras medidas debatidas pelo colegiado foi alterada por determinação direta do presidente.
Na quinta (26), o governo liberou o funcionamento de loterias, igrejas e templos religiosos, contrariando diagnóstico inicial do comitê publicado no dia 20. A decisão foi suspensa pela Justiça.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Óbitos em São Paulo pelo novo coronavírus triplicaram em uma semana

Brasil tem 20 novas mortes por coronavírus, maior alta em um dia; total vai a 77

Luiz Bacci, do Cidade Alerta, revela ao vivo a uma mãe que a filha foi assassinada

Uniten abre, na próxima segunda-feira, mais 240 vagas para nove cursos gratuitos

Prefeitura de Sorocaba interdita casa de tratamento para dependentes químicos na Zona Leste

Reunião define detalhes de ferramenta virtual contra crimes cometidos no trânsito