Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Prefeitura de Sorocaba fecha 80 comércios de produtos não essenciais no centro

Agência Sorocaba
Postado em: 01/07/2020

Compartilhe esta notícia:

Com medidas mais rígidas na flexibilização nos estabelecimentos comerciais determinada pela fase vermelha do Plano São Paulo, a Prefeitura de Sorocaba, por meio da Fiscalização da Secretaria de Segurança Urbana (Sesu), realizou desde início desta semana, ações na região central da cidade. Nesta quarta-feira (01), com os fiscais nas ruas da região central, mais 80 estabelecimentos foram notificados a fechar, enquanto outros 25 puderam reabrir após cumprir com as orientações de apenas oferecer aos clientes a possibilidade de adquirir produtos considerados essenciais.

Na terça-feira (30) foram notificados e fechados 45 estabelecimentos comerciais que vendiam produtos não essenciais, ou seja, fora da relação de produtos de  alimentação e a higiene. Ainda na terça-feira, 10 estabelecimentos puderam reabrir por se adequarem aos regramentos exigidos, já que foram fechados no dia anterior pela Fiscalização.

Conforme o decreto 25.799, em vigor,  só podem funcionar  aquelas lojas que vendem  produtos de alimentação ou de higiene pessoal de forma efetiva, não sendo suficiente ter apenas a Classificação Nacional de Atividades Essenciais (CNAE) como referência.

O decreto atribui à fiscalização pública a legitimidade do fechamento de estabelecimentos, aplicação de multas em caso de reincidência e, em último caso, a cassação do alvará de funcionamento, após três ocorrências. O valor da multa prevista ao infrator será de 10 a 10.000 vezes o valor nominal da Unidade Fiscal do Estado de São Paulo (UFESP).

 

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Santuário de Aparecidinha deve ficar movimentado neste 12 de outubro

Covid-19: Brasil registra 941 mortes desde início de pandemia

Ah, namorados eternos! Maria e Paulo Canineu

Procurador reclama de miserê e diz que vai virar pedinte com salário de R$ 24 mil

Dória anuncia que vai multar morador e comércio por falta de máscara em todo o Estado; valor vai de R$ 500 a R$ 5.000

Vendedor é encontrado morto dois dias após sair de uma festa de confraternização