Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Polícias Civil e Militar se unem para ajudar pessoas carentes durante pandemia em SP

Foto: divulgação/PM
Postado em: 23/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Em uma verdadeira corrente solidária, as polícias Civil e Militar têm realizado, em todo o Estado, atos humanitários para ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade social ou que estejam passando por dificuldades durante esse período de pandemia pelo novo vírus e também de isolamento social devido à quarentena.
 
 
Entre as iniciativas realizadas nos últimos meses, estão a entrega de refeições, cestas básicas, produtos de higiene, roupas e chocolates a moradores de rua, pessoas carentes e crianças que vivem em comunidades. Idosos, pessoas com deficiência física e jovens com câncer também estão na lista de beneficiados pelas ações.
 
 
A Polícia Civil, por meio da Seccional de Polícia do centro da Capital, por exemplo, tem sido parceira da Subprefeitura da Sé para apoiar a distribuição de alimentos pelo "Projeto Servir SP". A iniciativa reúne grandes e médias empresas para doação de mil refeições diárias aos mais necessitados e fragilizados durante a pandemia da Covid-19.
 
 
Para a ação, foi instalada uma tenda de distribuição na Praça da Sé, cartão postal da cidade, e houve a construção de uma cozinha industrial, onde estão sendo preparadas as refeições por voluntários - os mesmos que realizam as entregas. A atividade foi planejada para três meses de duração, independentemente do final da quarentena, e muitas vezes conta com música ao vivo durante as distribuições.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Prefeitura diz economizar, em 2020, quase 90% do que foi gasto com o Carnaval em 2019

Prefeitura faz ‘Operação Narguilé’ em 11 estabelecimentos de Sorocaba

Filho é preso após matar o pai com faca de churrasco em George Oetterer

Certificado Internacional de Vacinação é emitido em 4 locais com novos horários

Jovem flagrado dirigindo embriagado é liberado após pagar fiança de R$ 350

“Eu acho que posso fazer mais em Brasília do que aqui”, afirma Lippi