Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Polícia pede prisão de mãe de aluno que fez postagem de ameaça a escola do Sesi

Postado em: 30/03/2019

Compartilhe esta notícia:

A Polícia Civil anunciou, na manhã de sexta-feira (29), que pediu à Justiça a prisão de uma mulher de 38 anos, considerada a autora da postagem que ameaçou cometer um ataque violento à escola do Sesi, em Sorocaba.

A mensagem foi postada no Facebook e assustou os pais de alunos e a diretoria da escola, até mesmo causando a suspensão temporária das aulas na unidade. De acordo com a delegada-titular da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), Luciane Bachir, K.C.C, mãe de aluno, utilizou o perfil fake com nome de Guto Taucci (mesmo sobrenome de Guilherme Taucci, um dos autores do massacre da escola de Suzano). A conta utilizada para a publicação foi excluída.

width=720

À Polícia Civil, a delegada disse que K. nega ser a autora da postagem e até mesmo tentou culpar um adolescente de 14 anos e o próprio enteado [que não tem relação com os posts] pelo conteúdo publicado na internet. “Ela foi ouvida. É uma pessoa com comportamento difícil da gente conseguir conversar. É importante salientar que tudo o que fizemos resultou no pedido da prisão dela e foi encaminhado ao judiciário”, esclareceu. “Ela nega. Inclusive, continua postando nas redes sociais pedindo para que seja encontrada a pessoa que cometeu as ameaças”.

Na casa da suspeita a polícia deu cumprimento de mandado de busca em aparelhos, como computadores, por exemplo.

A investigação direcionou, num primeiro momento, para um adolescente de 14 anos. Entretanto, durante a apuração do caso, Luciane disse que foi comprovado que a mãe foi a idealizadora e autora do post.

K. chegou a ir à delegacia para, assim como outros pais preocupados, registrar boletim de ocorrência denunciando a publicação que ameaçava o massacre. Mesmo após ter sido ouvida pela polícia, que alegou ter provas contundentes de a mulher ser a autora dos posts, a delegada afirma que a suspeita tem “afrontado” a investigação ao continuar postando normalmente em seus perfis de redes sociais exigindo “que encontrem a pessoa que ameaçou cometer o massacre”.

No total, três foram sido identificados como autores de três postagens, sendo uma no WhatsApp, outra no Instagram e a última, a mais repercutida, no Facebook. Dois seriam alunos que não se conheceriam.

Ainda de acordo com a delegada, não havia ameaça real de ataque. “A intenção não era levar à cabo. Não achamos nada que ligasse a crime maior, como armas, contatos com grupos extremistas. A intenção do primeiro era fazer manifesto. Do terceiro era brincar. Brincadeira de mau gosto”, disse.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Jair Bolsonaro participa de primeiro ato como presidente eleito

Ônibus ganharam 270 mil passageiros no 1º dia da volta do rodízio em SP

Obras para melhorias interrompem abastecimento 5ª feira

Sistema Didático de Ensino do Sesi será implantado na rede municipal

Sorocaba registra 8 novas mortes pela Covid-19; Recuperados passam de 21 mil

Mega Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 21,5 milhões