Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Polícia apreende menor suspeito de organizar massacre em Suzano

Postado em: 19/03/2019

Compartilhe esta notícia:

Thaiza Pauluze, FOLHAPRESS

Policiais apreenderam na manhã desta terça-feira (19) o adolescente apontado como terceiro suspeito de ajudar a planejar o massacre que deixou oito alunos e funcionárias mortos na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano.

O jovem de 17 anos foi apreendido em casa e levado ao IML de Suzano. Na sequência, irá para o Fórum da cidade, onde passará por audiência de apresentação. A juíza Erica Marcelina Cruz, da Vara da Infância e da Juventude, determinou nesta segunda (18) a internação por 45 dias.

Durante a investigação foram analisados os celulares dele e dos dois atiradores -entre os 11 celulares apreendidos pelos policiais no dia do ataque, um pertence ao jovem suspeito.

Nesta segunda (18), a polícia apresentou ao Ministério Público um novo relatório com os resultados das buscas feitas na casa do menor. Entre os itens encontrados estavam ao menos anotações, desenhos e bota militar muito semelhantes às achadas na casa dos dois atiradores.

Na sexta-feira (15), o adolescente de 17 anos chegou a se apresentar, mas negou a participação durante uma oitiva com o Ministério Público e foi liberado –a promotoria não encontrou indícios suficientes para apresentar denúncia.

O jovem apreendido é ex-aluno da Raul Brasil e estudou na sala de Guilherme Taucci Monteiro, 17, tido pela polícia como líder do ataque a tiros.

A princípio, o envolvimento do terceiro suspeito ocorreu no planejamento do crime, segundo o delegado Ruy Fontes. O dono do estacionamento onde Guilherme Taucci e Luiz Henrique de Castro, 25, guardaram o carro usado no ataque teria informado à polícia sobre a participação de outro adolescente.

O empresário Eder Alves, 36, disse que viu uma terceira pessoa com a dupla duas vezes, entre os dias 21 e 25 de fevereiro.

Alves foi à Delegacia Sede de Suzano nesta sexta (15) para reconhecer a foto do adolescente. Porém, afirmou que não reconheceu a fisionomia da foto mostrada pela polícia, apesar “do biotipo da imagem ser igual” a do jovem acusado de incitar o massacre.

No estabelecimento, segundo o empresário, há uma câmera de monitoramento na área de atendimento, local onde o terceiro suspeito não chegou a ir. “Mesmo que a polícia quisesse as imagens, não seria possível, pois o sistema mantém as imagens salvas por apenas sete dias”, explicou.

Alves já havia sido chamado na quinta-feira para reconhecer uma foto do terceiro suspeito. “Mas me chamaram de novo na delegacia, pois a foto que me mostraram era mais antiga.”

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Aulas em escolas municipais de Votorantim serão suspensas por causa do coronavírus, informa prefeito

“Eu acho que posso fazer mais em Brasília do que aqui”, afirma Lippi

Escolas de Sorocaba prestam homenagem a vítimas de massacre em Suzano

São Paulo têm cerca de 80% dos leitos de UTI ocupados pela Covid-19

"Cartão Merenda Social" começa a ser entregue em algumas escolas

Policial militar da Grande SP é atropelado por motorista bêbado