Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

PM publica edital para contratar 2,7 mil soldados, com salário a partir de R$ 3,1 mil

Postado em: 01/05/2019

Compartilhe esta notícia:

A Polícia Militar publicou no Diário Oficial do Estado (DOE), de sábado (27), o edital para selecionar 2.700 novos soldados de 2ª classe para reforçar o patrulhamento em todo Estado de São Paulo. A abertura do concurso público foi autorizada pelo governador na edição do D.O.E de 30 de março deste ano.

As inscrições começam às 10h do dia 3 de maio e terminam às 23h59 do dia 13 de junho. Os cadastros deverão ser realizados, exclusivamente, pelo site da Vunesp. A taxa é de R$ 50.

Para inscrição e posse, é preciso ser brasileiro, ter entre 17 e 30 anos e estar em dia com as obrigações eleitorais e militares. As mulheres precisam ter altura mínima de 1,55 metro e os homens, de 1,60 m.

O futuro policial deve ter concluído o Ensino Médio e ser habilitado a conduzir automóveis. Tatuagens são permitidas, desde que não faça alusão à discriminação, violência ou seja ofensiva à PM ou aos direitos humanos. A remuneração inicial do soldado é de R$ 3.164,58, incluindo o salário-base, o Regime Especial de Trabalho Policial (RETP) e o valor de insalubridade.

O soldado da Polícia Militar tem como atribuição principal o policiamento ostensivo e preservação da ordem pública. Sua missão envolve a repressão aos crimes e a aplicação da lei, seguindo sempre o princípio da defesa da vida, da integridade física e da dignidade da pessoa humana.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Primeira prova vai levar mais de 4,6 mil a prestar concurso da Prefeitura de Sorocaba neste domingo

"Haverá muitas mortes" por coronavírus nos próximos dias, diz Trump

Bolsonaro exonera diretor da PF, e Moro anuncia pronunciamento para o final desta manhã

Pesquisa mostra que 97% das mulheres já sofreram assédio em transporte

Governo monitora 150 pessoas que tiveram contato com sorocabano morto em decorrência de febre hemorrágica

Brasil deveria discutir legalização da maconha baseada em evidências, diz epidemiologista