Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Pedido de cassação de Flávio Bolsonaro está parado há quatro meses

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
Postado em: 20/06/2020

Compartilhe esta notícia:

Iara Lemos, Folhapress

 

O presidente do Conselho de Ética do Senado, Jayme Campos (DEM-MT), afirmou que o pedido de cassação do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) precisa de uma "análise melhor" antes de ser aceito.

 

O filho 01 do presidente Jair Bolsonaro acumula duas representações feitas no colegiado, ambas pedindo a cassação do mandato. A primeira, de fevereiro, feita pela Rede, foi incorporada a uma segunda, de maio, protocolada por PSOL e PT.

 

Esta última foi feita após a Folha publicar entrevista com o suplente de Flávio, o empresário Paulo Marinho.

 

O ex-aliado da família Bolsonaro disse que o senador foi informado com antecedência, em outubro de 2018, sobre a deflagração de uma operação da Polícia Federal na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, onde Flávio exerceu mandato de deputado estadual até janeiro de 2019.

 

"Eu li, preliminarmente, a denúncia feita pelos partidos contra o Flávio Bolsonaro e considero que ela está bem apurada, mas precisa de uma avaliação melhor", afirmou Jayme Campos à Folha nesta quinta-feira (18). "Estou aguardando o parecer [da advocacia do Senado]."

 

No pedido, os partidos afirmam que a cassação do mandato do senador é necessária por sua ligação "forte e longeva" com as milícias no Rio de Janeiro e apontam quebra de decoro parlamentar.

 

O Ministério Público do Rio prendeu na quinta o ex-assessor do senador, Fabrício Queiroz, num imóvel ligado ao advogado Frederick Wassef, que representa Flávio e seu pai, o presidente Jair Bolsonaro.

 

A prisão de Queiroz na casa do defensor levou a Rede a pedir urgência na abertura do processo de cassação de Flávio.

 

Desde fevereiro, quando o primeiro pedido contra Flávio Bolsonaro foi feito, Campos pediu à Advocacia da Casa um posicionamento sobre a admissibilidade.

 

Em maio, quando foi protocolado o segundo, ele reforçou a solicitação.

 

"Não é para mim que precisam cobrar. É para a advocacia do Senado. São eles que precisam falar", disse o presidente do Conselho de Ética.

 

Ele rechaçou indiretas que vem recebendo dos partidos de oposição de que, por ser próximo ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), poderia beneficiar o filho de Bolsonaro com a inércia do conselho.

 

Nos últimos meses, Alcolumbre tem estado próximo ao governo, especialmente na articulação para distensionar a relação entre os Poderes.

 

"Os partidos podem ficar tranquilos que vou fazer o que está na lei", afirmou Campos.

 

Nesta sexta-feira (19), a Folha voltou ao senador para saber se havia avançado o caso de Flávio no setor jurídico do Senado. "Hoje é sexta-feira. Se não teve nada na semana, hoje que não vai ter", respondeu.

 

Por meio da assessoria, a Advocacia-Geral do Senado informou que não há prazo para que a análise seja realizada. A Casa disse que o aditamento das representações foi o motivo pelo qual "o processo ainda está sendo analisado".

 

"Isso é um absurdo. Em cinco dias, no máximo, essa análise tinha de ter ocorrido. Precisamos que o presidente do conselho tome um posicionamento rápido sobre isso", cobrou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um dos autores da representação.

 

Na atual legislatura, o Conselho de Ética só se reuniu no dia 25 de setembro do ano passado, quando foi feita a posse do colegiado. Dos 15 cargos de suplentes, o único que não foi preenchido é do Republicanos, partido de Flávio Bolsonaro.

 

O senador é investigado desde janeiro de 2019 sob a suspeita de recolher parte do salário de seus subordinados, prática conhecida como "rachadinha", na Assembleia Legislativa do Rio de 2007 a 2018.

 

Os crimes em apuração são de peculato, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e organização criminosa.

 

Flávio nega desde o fim de 2018 que tenha praticado "rachadinha" em seu gabinete. Ele afirma que não é responsável pela movimentação financeira de seu ex-assessor.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Pré-candidato a prefeito, Carlos Pepper quer que Sorocaba volte a dar incentivos fiscais

‘SuperPalhaços’ abre inscrição para curso de humanização hospitalar

Terceira idade de Sorocaba está aderindo ao encontro virtual do Clube Ecológico Roda Viva

PM realiza operação para combater criminalidade em Sorocaba

Base Aérea de Anápolis está pronta para receber repatriados

Transportadoras e caminhoneiros alertam para risco de nova paralisação