Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Os girassóis e o ciclismo - veja a coluna semanal de Vanderlei Testa

Foto: Wilson Justo na plantação dos girassóis em Sumaré
Postado em: 27/06/2020

Compartilhe esta notícia:

Por Vanderlei Testa

 

O esporte ciclístico em Sorocaba e no Brasil continua liberado nas estradas. Pelo menos é o que vimos na história contada pelo Wilson Justo em um café da manhã com o Fernando Camargo Mathiazzi. Eles são adeptos dessa atividade esportiva há anos.

 

Suas bikes impressionam nos detalhes. Desde o selim importado com abertura cientificamente projetada ao ciclista, até as peças produzidas com rígido controle de qualidade. Relógio digital no painel com inúmeros aplicativos de medidas a serem observadas no trajeto das provas e treinos.

 

Um dos treinos foi até a cidade de Sumaré. Rodaram pelo acostamento da rodovia “Castelinho” e rodovias de Sorocaba até Campinas e Sumaré. Foram cerca de 120 km para ir e mais outros 120 km para retornar. Mas, como tudo tem suas vantagens, o cansaço ficou pra trás com a beleza da natureza dos girassóis.

 

Incrível a paisagem e a sensação de estar em meio as plantações coloridas de amarelo. Um infinito visual que leva qualquer pessoa a flutuar leve como a bicicleta nas mãos do Wilson. Olho a imagem e penetro nas profundezas dos girassóis.

 

A poesia transcende pensamentos e conduz a contemplação do amor divino em criar esse quadro natural. Creio que não há pintor tão inspirado como o próprio Deus. Circular por essa área de plantio é como estar no jardim do Éden. É tão pertinho de Sorocaba.

 

A cidade de Sumaré fica na divisa com Campinas. De carro, logicamente é mais rápido. Uma hora e vinte minutos- do que as mais de três horas usadas de bike para estar nesse paraíso. Mas o condicionamento físico das pernas no acelerador e freio do carro é muitas vezes menor do que pedalar subidas e descidas nos acostamentos das rodovias.

 

E, como bons amigos, fomos fazer a nossa caminhada a pé, usando máscaras e proseando sobre o nosso desafio de continuar correndo nas provas de 2020, se a Covid 19 permitir, pelo menos a São Silvestre.


E de carona no final do artigo, relembro do meu irmão Darci Testa que na saudade da sua partida entre nós, deixou na minha infância a sua bicicleta como uma relíquia da sua vida. Aquela Monark preta era o seu instrumento de rodar ao trabalho na farmácia.

 

Tempos dos anos 50 que ele ganhou de meus pais a sua desejada bicicleta. Ainda me lembro dele entusiasmado chegando a casa da rua Santa Maria 111 com a sua bicicleta, como se fosse um Jaguar.

 

Vanderlei Testa é jornalista e publicitário; escreve aos sábados no www.jornalipanema.com.br e no www.facebook.com/artigosvanderleitesta e www.blogvanderleitesta.com

 

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Beto Richa, candidato ao Senado pelo PSDB, é preso em operação do Gaeco

"Temos contas sadias", diz Dini na Ipa FM ao defender permanência de comissionados na Câmara

"Vamos investigar se realmente houve excesso dos GCMs", diz secretário sobre abordagem a vendedora

Queda de árvore destrói parte de cobertura de associação educacional e deixa 170 crianças sem aula

Vereadores aprovam projetos de colocação de placas de advertência contra ato libidinoso e trabalho infantil

Votação de pedido para antecipação de feriados em Sorocaba é adiada