Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Operação ‘Jibóia’ em Sorocaba e outras cidades prende 13 e apreende R$ 1 mi

Postado em: 03/05/2019

Compartilhe esta notícia:

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo (Gaeco) deflagrou, nesta manhã de sexta-feira (3), com apoio da Polícia Militar, a Operação Jiboia para cumprimento de ordens judiciais de prisões e buscas domiciliares contra integrantes da facção criminosa PCC na capital e em outras regiões do Estado. Mais de 500 agentes foram para a rua.

Foram cumpridos mandados em Sorocaba, além de outras cidades do estado. Até o fim da manhã, o balanço da operação indicava a apreensão de R$ 1 milhão em dinheiro vivo, sete armas, mais de 50 celulares, quatro balanças utilizadas para pesar droga, anotações da facção e sete veículos. Além das prisões determinadas por mandados, 13 pessoas foram presas em flagrante delito e ocorreu a apreensão de um adolescente.

Parte dos alvos integraria as atuais funções de comando e liderança da facção nas ruas, em lugar da cúpula atualmente custodiada em presídios federais.

Os presos foram investigados, ao longo dos últimos meses, por exercerem as mais diversas funções na facção, ligadas ao tráfico de drogas, ao cadastramento de armas e ao recolhimento de valores para a organização, a realização de julgamentos informais (“tribunais do crime”) e até funções de inteligência e de lideranças.

Fotos: MPSP/divulgação

width=478 width=555 width=461 width=987 width=503 width=1032

É a primeira etapa de um trabalho visando a manter a desestruturação (estrangulamento, daí o nome da operação) da organização criminosa, iniciada com a transferência da cúpula para presídios fora do Estado de São Paulo, após decisão judicial no início deste ano que deferiu pedido do Gaeco.

A força-tarefa envolveu a participação direta de 22 promotores de Justiça, 18 servidores, 485 PMs, 139 viaturas e contou com o apoio de três equipes do Águia e cinco do canil.

De acordo com o subprocurador-geral de Justiça de Políticas Criminais e Institucionais, Mário Sarrubbo, a “coordenação entre promotores de justiça, agentes de núcleos das mais diversas regiões, é fundamental para que o Ministério Público prossiga na sua estratégia de enfrentamento de forma mais integrada, moderna e ágil contra a maior facção criminosa do país. Dentro desta atual concepção, nos próximos dias parte dos aparelhos digitais e dos documentos apreendidos serão encaminhados para perícia com recursos tecnológicos mais avançados e modernos, permitindo espectro mais aprofundado e preciso de análise e cruzamento de dados”.

Os investigados podem responder por crimes de organização criminosa (3 a 8 anos de pena), tráficos de drogas (5 a 15 anos de pena), associação ao tráfico (3 a 10 anos de pena), sequestro e cárcere privado (2 a 08 anos de pena) e lavagem de dinheiro (3 a 10 anos de pena).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

São Paulo recebe 650 respiradores vindos da Turquia

Sorocaba tem mais 62 casos confirmados e 3 novas mortes pelo novo coronavírus em 24h

Tem teatro no carnaval! - veja a coluna de José Simões

Jaqueline diz a vereadores que não há duvida `quanto à lisura´ de processo de compra de máscaras

Professores PEB l e ll realizam integração no CRE

MC Gui admite erro e pede segunda chance: "Estou buscando ajuda para mudar"