Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Ação assusta pelas pastas envolvidas; foco é a facilidade de se licitar com a Twenty

Postado em: 08/04/2019

Compartilhe esta notícia:

Por Gustavo Ferrari

A Operação ‘Casa de Papel’ assustou os servidores públicos municipais que chegaram para trabalhar no Palácio dos Tropeiros, na manhã desta segunda-feira (8). Muitos se viram impedidos de entrar nas próprias repartições.

O número de secretarias envolvidas nas diligências de busca e apreensão de documentos também impressionou os servidores. O chacoalhão policial atingiu o primeiro andar do Paço, colocando sob suspeita a Secretaria de Comunicação e Eventos (Secom), a Secretaria de Licitações e Contratos (Selc) e a Secretaria da Fazenda (Sefaz). Outra pasta investigada, a Secretaria de Cultura e Turismo (Secult), aloca-se no Chalé Francês, na Antiga Sorocabana, a charmosa estação da estrada de ferro.

O que todas as secretarias investigadas têm em comum? As licitações envolvendo a empresa Twenty, que também atende pelo nome fantasia de Selt, do empresário sorocabano Felipe Augusto Bismara. Cabe ressaltar, aqui, que ele chegou a ser preso no final dos anos 90 por envolvimento com a distribuição de drogas sintéticas, e foi processado pelo MP em meados de 2016, quando teria sido beneficiado em contratos com a Prefeitura de Sarapuí.

Ocorre que a Twenty é uma empresa faz-tudo na atual Administração Pública Municipal. Ela concorre e ganha licitações nas áreas de eventos, com o aluguel de tendas e estruturas para shows; aluguel de banheiros químicos para as feiras livres; arquibancadas e sistema de som para o Carnaval, além de ser a responsável pelo cardápio e refeições do gabinete do prefeito e operar serviços de fossa séptica e limpeza de esgoto à municipalidade.

A Secom, uma das investigadas na operação, tendo à frente o secretário Eloy de Oliveira, e a Secult, do secretário Werinton Kermes, solicitam as licitações à Selc, do secretário Hudson Moreno Zuliani, que prepara os editais. Conforme apura o Gaeco, o vício e direcionamento, explícito no âmbito das denúncias até o momento, contemplam o empresário Bismara, tornando o seu negócio altamente rentável (os aluguéis e os serviços terceirizados). O debruçamento em cima dos documentos foca na averiguação se houve ou não algum favorecimento nessas contratações.

Os empenhos recaem todos sobre a Sefaz, do secretário Marcelo Regalado. Com a checagem das notas emitidas e dos recibos de prestação dos serviços, os investigadores procuram um elo entre os supostos envolvidos. A Twenty tem mais de 500 empenhos com a Prefeitura desde 2017.

Até deflagar a ‘Casa de Papel’, tanto a Polícia Civil quanto o Gaeco colheram diversos depoimentos de servidores municipais, de carreira ou comissionados, assim como licitantes e ex-licitantes. Ao que tudo indica, o novelo de lã se desenrola com o que foi falado e denunciado, inclusive com robusta documentação apresentada às autoridades. O desfecho disso tudo será previsível?

Nota oficial

A Prefeitura de Sorocaba esclarece “que a operação da Polícia Civil e Ministério Público, que ocorreu nesta segunda-feira (8), acontece em caráter de investigação. A Prefeitura preza pela transparência em todos os seus processos e serviços e está colaborando com todas as informações solicitadas pelos órgãos investigativos. Todos os serviços públicos voltados à população foram restabelecidos e estão funcionando normalmente.”

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Dia D da ‘pólio’ e multivacinação acontece em 30 UBSs amanhã

Dini será o novo presidente da Câmara; líder do PSD foi ‘fiador’ de acordo com Martinez

Florianópolis não tem morte por Covid-19 há quase um mês

Governo de SP paga sexta parcela do Merenda em Casa para 46,9 mil estudantes da região de Sorocaba

Ao som de "meme do caixão", GCM dispersa pancadões em Sorocaba

Romu detém traficante de 20 anos no Parque São Bento