Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

“O que eu quero”: palavras do Dani Sartori - veja a coluna semanal de Vanderlei Testa

Postado em: 18/04/2020

Compartilhe esta notícia:

Por Vanderlei Testa

 

Nos meus artigos relato as emoções e sentimentos das pessoas com quem tive o privilégio de estar algum dia em sua vida. Desta vez, vou escrever no meu espaço, um depoimento do meu afilhado de Crisma e que acompanho a sua vida desde os primeiros dias da sua infância.

 

Daniel Sartori é uma luz na vida da comunidade do Divino Espírito Santo, do Jardim Saira. Na escola e onde frequenta sempre faz a diferença com a sua história de vida e comportamento exemplar para um jovem de apenas 18 anos de idade.

 

É ele quem diz: Aos meus 12 anos, ouvi a seguinte pergunta, uma pergunta que certamente mudaria minha vida, no começo, não fazia ideia do quão importante essa pergunta seria o propósito dela na minha vida, hoje com 18 anos, isso começou a clarear na minha mente, hoje posso dizerque tenho a resposta para ela.


“O QUE EU QUERO?


A resposta para essa pergunta é de fato, algo que eu demorei seis
anos para entender e saber a resposta, uma resposta que somente eu teria, a resposta que só eu e Deus julgaria ser certa ou não.

 

Hoje é terça-feira, dia 18 de fevereiro de 2020, são exatamente 00:25h, quero que fique registrado essa data e essa hora, pois é um marco importante na história da minha vida, é algo que quero compartilhar com todos que fizeram e fazem parte da minha vida.


Considero isso um tesouro, não só para mim, mas também para todos que vão ler essa minha descoberta que, de um lado pode ser bom e também ruim para uns e para outros, isso como eu disse antes, que sabe a resposta certa, são apenas duas únicas pessoas.


Podemos começar? Acho que sim, afinal, se está lendo isso é porque é alguém digno e que com toda certeza tem meu amor e carinho.


Já faz algum tempo que ando pensando nesse assunto, nessa questão, nesse dilema que levo comigo, e só de pensar nessa pergunta, a resposta fica na ponta da língua, porém, sempre achei mais fácil escrever do que eu mesmo falar. Prometo que serei o mais direto e claro possível, para que você que está lendo possa entender.

 

“O QUE EU QUERO?

 

Bom, o que eu quero? O que eu quero, eu chamaria de sentimento, viver, sentir e desfrutar das coisas que sonho um dia em obter. Serei claro, como havia prometido.


Quero ser um ser humano como ninguém jamais viu na vida, quero ser forte física e espiritualmente falando
, quero ser o humano que junta às famílias separadas, o humano que luta pela causa humana e animal, mas não lutar por um menos que o outro, muito pelo contrário, quero lutar e proteger igualmente os dois lados, quero tornar realidade minha visão e imaginação, ao ver pela primeira vez dois morros que estão ligados, e juntos formam um portal, uma passagem para o desconhecido, quero ser o humano que criou o seu paraíso particular e poder vê-lo pessoalmente e não apenas quando fecho meus olhos, quero ser o humano que acabe com as discussões sem objetivo algum para o futuro, quero ser o humano que traga paz e sorriso apenas com a minha presença, o humano que apenas com um abraço, consiga amenizar qualquer dor, quero ser aquele Daniel, que prometeu para si mesmo, nadar até uma pequena ilhazinha, enfrentando as ondas do mar, apenas com seu corpo, quero ser o humano que traga amor aos corações cinzentos, alguém que traga alimento, água e alegria aos menos afortunados o humano que tirará as drogas das mãos dos que julgam ser necessário e trocá-las por uma chance de mudar a vida delas.


Quero ser o humano que trará alegria a minha família, orgulho aos meus pais e união até meus irmãos e irmãs, quero ser o humano com uma vasta coleção de antiguidades, desde a primeira moeda até a última espada empunhada por bravos e leais soldados. Quero ser o humano que sem hesitar perfuraria seu corpo com agulhas e doaria meu sangue para aqueles que mais necessita
m, o humano que compartilha o salgado com um estranho morador ou um cão de rua, o humano que eu vejo em um futuro próximo, mostrar ao mundo que não ligo com pombos ao meu redor, muito pelo contrário, sou o humano que com prazer os alimenta e os acolhe, pois eu os vejo como a ave que Noé usou para descobrir se havia terra para abrigar sua família e os animais. Quero ser o humano que sente a paz das águas, mesmo estando em um dia chuvoso, o humano que acaricia até mesmo as plantas mais venenosas, quero ser o humano que acalme e brinca até mesmo com os animais mais perigosos do mundo, que acolhe de braços abertos, desde um ladrão até o assassino mais cruel com o coração arrependido.


Enfim, a
cho que consegui mostrar a você leitor, através dessa carta, o que eu quero. Espero que leia e passe adiante e claro, reflita. Deixo essa escrita,essa minha descoberta, a todos que conheci e conheço, e se chegou até aqui, é porque semprevocê estará comigo no meu coração.


Daniel é filho de
Loriz Aparecida Sartori da Silva e Antonio Carlos Bicudo Silva e uma benção em nossa vida de padrinhos e da comunidade da paróquia NS Medianeira. 

 

Vanderlei Testa é jornalista e publicitário; escreve aos sábados no www.facebook.com/artigosdovanderleitesta e www.blogdovanderleitesta.com e www.jornalipanema.com.br/opinioes

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

PA do Laranjeiras volta a registrar confusão entre munícipes e Guarda Municipal

‘Eu considero o Bolsonaro um boçal genocida’, dispara Ciro Gomes

SUS oferecerá consulta virtual com foco em paciente crônico

A inspiração de João Leão Dehon - veja a coluna semanal de Vanderlei Testa

Suspeito de esfaquear três pessoas é morto a tiros ao atacar PM

PM prende foragidos da Justiça, apreende veículos e drogas durante bailes funks