Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

O DEDA QUESTÃO: Orçamento 2019 – confiança ou hora de fechar as torneiras?

Postado em: 02/10/2018

Compartilhe esta notícia:

O DEDA QUESTÃO

O Projeto de Lei nº 269/2018, que dispõe sobre o Orçamento do Município para o Exercício de 2019 está tramitando na Câmara de Vereadores desde sexta-feira passada. A receita total projetada para o próximo ano está estimada em R$ 3,289 bilhões enquanto as despesas previstas alcançam R$ 3,271 bilhões, ou seja, restam míseros R$ 18 milhões para investimentos.

Confiança na economia

De acordo com o prefeito Crespo, o Orçamento para 2019 demonstra a confiança da Administração Municipal na economia de Sorocaba, que nos últimos anos têm se mantido acima da média do país, ao mesmo tempo em que considera o cenário econômico nacional incerto e cauteloso gerado pela desaceleração do setor industrial nacional e, também, pela trajetória política em ano eleitoral.

Hora de fechar as torneiras

Sobre o Orçamento de 2019, o presidente da Câmara, Rodrigo Manga, é mais precavido: “o momento é de ‘fechar a torneira’ e economizar. É hora de reduzir o custo do Estado para superar essa crise e depois reforçar com investimentos na cidade”.

Receita x Despesas

Para 2019, a receita total prevista do município será de R$ 3.289.677.670,25. Deste total, R$ 2.308.967.555,01 referem-se à Prefeitura, ou seja, à administração direta; R$ 329.007.015,24 ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), R$ 280.755.000,00 à Funserv Previdência; R$ 252.759.400,00 à Urbes; R$ 117.788.700,00 à Funserv Saúde e R$ 400.000,00 ao Parque Tecnológico.

Já a previsão de despesas do município para o próximo ano está assim distribuída: Prefeitura R$ 2.078.575.555,01; Câmara Municipal R$ 60.132.000,00; SAAE R$ 299.587.000,00; Funserv Previdência R$ 334.908.000,00; Urbes R$ 280.750.179,00; Funserv Saúde R$ 117.760.000,00; Parque Tecnológico R$ 5.390.000,00 e Reserva de Contingência R$ 154.116.440,68.

Maiores orçamentos

Conforme a LOA, as Secretarias da Saúde e da Educação terão os maiores orçamentos, respectivamente. Cabe ressaltar que, conforme a Constituição Federal, a Prefeitura deve aplicar 25% de sua receita própria na Educação e 15% na Saúde. De acordo com a peça orçamentária, a Saúde terá uma dotação de R$ 571.178.000,00, ou seja, 27,39%, enquanto que a Educação, R$ 506.434.000,00, 25,31%. Já a Secretaria de Mobilidade e Acessibilidade (Semob) terá um orçamento de R$ 275.743.000,00 e, na sequência, a Secretaria de Saneamento (Sesan), R$ 121.254.000.

Cronograma do projeto

O projeto do Orçamento para 2019 passará, entre os dias 3 e 9 de outubro, por exame formal e adequações por parte da Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Parcerias, presidida pelo vereador Hudson Pessini (MDB) e formada pelos vereadores Péricles Régis (MDB) e Anselmo Neto (PSDB). Após as audiências públicas que serão iniciadas nesta quarta-feira, 3, às 9 horas, e prosseguem até 10 de outubro, tem início o período para apresentação de emendas em primeira discussão, entre 15 e 19 de outubro. Em seguida, de 22 a 26 de outubro, essas emendas serão analisadas pela Comissão de Economia e Orçamento.

O projeto será votado em primeira discussão no dia 1° de novembro (uma quinta-feira). Abre-se, em seguida, de 5 a 9 de novembro, o período para apresentação de emendas em segunda discussão, que receberão parecer da Comissão de Economia e Orçamento no período de 12 a 20 de novembro. Em 27 de novembro (uma terça-feira), o projeto será votado em segunda discussão. Por fim, no dia 6 de dezembro (uma quinta-feira), o projeto será votado em definitivo.

Audiências públicas

O projeto de lei do Orçamento para 2019 será discutido em uma série de audiências públicas, com todos os secretários municipais e diretores de autarquias, que terão início na próxima quarta-feira, 3, a partir das 9 horas, quando serão ouvidos os secretários da Fazenda (Marcelo Regalado), Igualdade e Assistência Social (Cíntia de Almeida), Cidadania e Participação Popular (Suélei Gonçalves), Conservação, Serviços Públicos e Obras (Fábio Pilão), Licitações e Contratos (Hudson Zuliani) e Mobilidade e Acessibilidade/Urbes (Luiz Alberto Fioravante).

Na sexta-feira, 5, às 9 horas, serão ouvidos os secretários da Saúde (Marina Elaine Pereira), Meio Ambiente, Parques e Jardins (Jessé Loures), Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Robson Coivo), Saneamento/Saae (Alceu Segamarchi Júnior), Relações Institucionais e Metropolitanas (Flávio Chaves) e Segurança e Defesa Civil (Jefferson Gonzaga).

Na segunda-feira, 8, às 9 horas, serão ouvidos os secretários da Educação (André Gomes), Assuntos Jurídicos e Patrimoniais (Ana Lúcia Sabbadin), Recursos Humanos (Osmar Thibes), Esportes e Lazer (Simei Lamarca), Cultura e Turismo (Werinton Kermes) e Planejamento e Projetos (Mirian Zacareli).

Na quarta-feira, 10, às 9 horas, serão ouvidos os secretários do Gabinete Central (Éric Vieira), Funserv (Silvana Chinelatto), Empresa Parque Tecnológico (Roberto Freitas), Abastecimento, Agricultura e Nutrição (Fernando Oliveira), Comunicação e Eventos (Eloy de Oliveira) e Habitação e Regularização Fundiária (Fábio Camargo).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Programa Economia Criativa do PTS traz a Sorocaba o chef Erick Jacquin

Brasil perde R$ 417 bi por ano com sonegação de impostos, diz estudo

Farmácia é roubada duas vezes em menos de cinco dias pelo mesmo criminoso

Guarda Civil Municipal detém jovens com quase duas mil porções de drogas

Saúde planeja incentivo para ações em prol de alimentação saudável

PSDB Sorocaba realiza convenção no sábado no formato drive-thru