Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Número de acionamento do Botão do Pânico quadruplica nos últimos sete meses

Postado em: 18/09/2019

Compartilhe esta notícia:

O número efetivo de acionamentos do Botão do Pânico por mulheres que estavam na iminência de sofrer agressões ou que chegaram a ser vítimas de violência doméstica quadruplicou nos últimos sete meses, ante o mesmo período do ano passado.

De acordo com dados da Secretaria de Segurança e Defesa Civil (Sesdec), entre fevereiro e agosto deste ano o aplicativo de segurança foi acionado efetivamente 88 vezes, contra 22 no mesmo período de 2018. Já o número agressores que descumpriram a medida protetiva judicial e que foram detidos pela Polícia triplicou nesse mesmo período. Foram 28 neste ano contra sete no ano passado.

O Centro de Referência da Mulher (Cerem) “Selma Said”, vinculado à Secretaria de Igualdade e Assistência Social (Sias), é o responsável pelo acolhimento de mulheres vítimas de agressões de seus companheiros, e ex-maridos, filhos, entre outros. Nesse atendimento realizado pelo Cerem, a vítima recebe todas as orientações sobre sua participação no programa de proteção e como utilizar o aplicativo que está conectado direto no seu aparelho celular.

A unidade atende mulheres a partir de 18 anos em situação de violência doméstica, seja por demanda espontânea ou por encaminhamento de algum serviço ou instituição. O Centro de Referência oferece ainda orientações gerais sobre os direitos da mulher, Lei Maria da Penha e sobre a Rede de Atendimento, por meio de atendimento psicossocial.

“O trabalho ofertado pelo Cerem contribui com o autofortalecimento da vítima, para que a mulher cesse a situação de violência vivenciada, sem ferir o seu direito à autodeterminação, mas promovendo meios que fortaleçam sua autoestima e tomada de decisões relativas à situação de violência, a fim de interromper o ciclo de agressões”, explica a coordenadora do Cerem, Naiane Maira Brito de Melo.

Inclusões e luta constante

Desde a implantação do Botão do Pânico, em 8 de fevereiro de 2018, foram realizadas 485 inclusões de mulheres vítimas de violência doméstica no aplicativo, destas, 415 estão ativas, até o momento. Entre elas está a pedagoga Adriana, de 46 anos. Ela conta que durante muitos anos foi vítima de agressão do seu ex-companheiro, e por muitas vezes, acreditou na mudança do comportamento do ex-parceiro. “Por três vezes ele machucou as minhas costelas, quebrou o meu pé e, na penúltima vez que fui agredida, fui esfaqueada”.

Adriana não só recebia agressões físicas, como também, era vítima de agressões verbais. “Ele começou a vender tudo que tinha dentro de casa e na última agressão, no dia 10 de setembro de 2018, quebrou o meu nariz. Foi a gota d´água. Fui até a delegacia feminina e fiquei quase 20 dias com as crianças no CIM Mulher, e através do acolhimento da assistente social, fomos até o fórum adquirir o direito de ter o Botão do Pânico”.

O ex-companheiro da Adriana, já ficou preso durante três meses, após a vítima acionar o botão do pânico e ser prontamente socorrida pela CGM, quando o agressor tentou invadir sua residência, em novembro de 2018. O agressor já foi sentenciado e não pode se aproximar dela até 2022.

“O botão do pânico me dá uma sensação de segurança, porque sei que se acioná-lo, em segundos, recebo a ligação da polícia e a viatura é acionada”, diz. “Agradeço a Prefeitura de Sorocaba pela criação do Botão do Pânico, porque só estou viva por causa dele”.

Como funciona o Botão do Pânico

A mulher que se sentir agredida deve procurar a polícia para registar Boletim de Ocorrência (B.O) e fazer a solicitação das Medidas Protetivas. Com o B.O em mãos, em seguida a solicitação na Delegacia da Mulher, deve se dirigir ao Fórum e apresentar o caso à Justiça que é responsável por liberar a medida protetiva após avaliação do caso. Em seguida, a vítima é encaminhada ao Centro de Referência da Mulher – Cerem, que está vinculado à Secretaria de Igualdade e Assistência Social (Sias), para realizar o cadastramento no sistema Botão do Pânico e ser acompanhada pela equipe em virtude das situações de violência vivenciadas.

Nesse atendimento realizado pelo Cerem, a vítima recebe todas as orientações sobre sua participação no programa de proteção e como utilizar o aplicativo que fica conectado direto no seu aparelho celular, que tem que ser versão Android 5.0 ou superior e ter internet 24 horas. Caso o botão seja acionado, imediatamente um aviso com a exata localização da vítima é enviado ao Centro de Operações e Inteligência (COI), da Guarda Civil Municipal (GCM).

O Cerem está localizado na Avenida Juscelino Kubitschek, 440, no Centro, e funciona, das 8h às 17h.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Morre, aos 39 anos, a cantora Deise Cipriano do Fat Family

Motorista derruba 11 postes ao desviar de cachorro no interior de SP

Bolsonaro rejeita regulamentação da mídia no Brasil “incluídas as sociais”

Oficina Colmeia de Férias e Exposição de abelhas são atrações culturais do Shopping Cidade Sorocaba

Artesp autoriza e preço do pedágio nas rodovias de SP terá aumento a partir de 2ª

Polícia: travestis mataram morador de rua após cobrança de taxa de prostituição