Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Mortos em Paraisópolis têm traumas compatíveis com pisoteamento

Marlene Bergamo/Folhapress
Postado em: 14/12/2019

Compartilhe esta notícia:

Bruno Bocchini, Agência Brasil

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado de São Paulo informou hoje (13) que análises preliminares feitas nos corpos dos jovens mortos na ação policial em um baile funk em Paraisópolis, no último dia 1º, têm traumas compatíveis com os de pisoteamento. 

“De acordo com a autoridade policial responsável pelo caso, as primeiras análises mostram que as vítimas têm traumas compatíveis com os de pisoteamento”, diz o texto de nota da SSP.

Segundo a pasta, os laudos já foram recebidos pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil. Até o momento, cerca de 40 oitivas foram anexadas ao inquérito. Uma equipe de policiais civis está analisando imagens, áudios e demais informações da investigação. A Corregedoria da Polícia Militar também apura o caso em um Inquérito Policial Militar.

No dia 10, o governador João Doria afastou os 32 policiais que participaram da operação em Paraisópolis. Vídeos gravados por moradores e divulgado à imprensa mostram policiais encurralando dezenas de pessoas em vielas e batendo com cassetetes. 

Segundo a Polícia Militar, agentes se dirigiram ao local do baile atrás de dois fugitivos que estavam em uma motocicleta e que teriam atirado contra a polícia e causado correria na multidão. Moradores da comunidade, no entanto, negam essa versão e dizem que a operação parecia premeditada e que seria uma vingança contra a morte de um policial ocorrida no mesmo local, um mês antes.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

MP pede revogação de decreto sobre aplicativos de transporte em Sorocaba

Oficina de dobradura com obra de Rachel de Queiroz é realizada na Biblioteca Infantil

Avianca cancela 180 voos de sábado a quarta-feira

Covid-19: Brasil tem 2º dia com maior registro de novos casos

SP criará comitê e deve preparar leitos de hospital depois da confirmação do 1º caso de coronavírus

‘O aluno me falou que ia merendar; logo depois, estava morto’, diz professor