Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Moro se diz ‘perplexo’ com decisão de desarquivar inquérito que mira seu amigo

Jovem Pan News
Postado em: 03/06/2020

Compartilhe esta notícia:

Jovem Pan News

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro se disse “perplexo” e “indignado” com a decisão do Ministério Público Federal (MPF) de retomar as tratativas para acertar um acordo de delação que pode prejudicar o advogado Carlos Zucolotto, seu amigo. Para Moro, há em curso uma tentativa de atacá-lo após sua saída do governo.

“Causa-me perplexidade e indignação que tal investigação, baseada em relato inverídico de suposto lavador profissional de dinheiro, e que já havia sido arquivada em 2018, tenha sido retomada e a ela dado seguimento pela atual gestão da Procuradoria-Geral da República logo após a minha saída, em 22/04/2020, do Governo do Presidente Jair Bolsonaro”, escreveu o ex-ministro em nota enviada à imprensa.

Investigação

Segundo reportagem publicada nesta quarta-feira (3) pelo jornal O Globo, o procurador-geral da República, Augusto Aras, desengavetou uma investigação sobre suposto pagamento de US$ 5 milhões em propina a Zucolotto, que foi padrinho de casamento de Sergio Moro e sócio da esposa do ex-ministro. A denúncia já foi investigada pela própria PGR e arquivada em 2018, sob conclusão de que a prática de crimes não foi comprovada.

Com o desarquivamento do inquérito, Aras pretende voltar a negociar uma colaboração premiada com o advogado Rodrigo Tacla Duran, apontado pela força-tarefa lavajatista como operador financeiro da Odebrecht. Ele próprio afirmou ter pago dinheiro ao amigo de Moro para obter vantagens em uma delação premiada, posteriormente frustrada, com a Lava Jato em 2016. Entre elas, uma suposta redução no valor da multa delatória. Duran está foragido no exterior desde 2016, quando foi alvo de um mandado de prisão determinado por Moro.

A nova negociação ocorre em um momento de tensão entre Moro e o Planalto. O ex-ministro passou a adversário do presidente após ter pedido demissão do governo alegando que Jair Bolsonaro tentou interferir politicamente na Polícia Federal para blindar familiares e aliados de investigações. As acusações levaram à abertura de um inquérito, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) sob relatoria do ministro Celso de Mello.

Confira a nota de Moro na íntegra:

Sobre a matéria “Aras retoma delação que atinge amigo de Moro”, publicada no Jornal O Globo, nesta quarta-feira 03/06/2020, venho informar que:

Os relatos de Rodrigo Tacla Duran sobre a suposta extorsão que teria sofrido na Operação Lava Jato, com envolvimento de um amigo pessoal, Carlos Zucolotto Júnior, já foram investigados na Procuradoria-Geral da República e foram arquivados em 27/09/2018, com parecer do então Vice-Procurador-Geral da República (Notícia de fato 1.00.000.010357/2018-88).

Na ocasião, o relato não verdadeiro prestado por acusado foragido do país teve o destino apropriado: o arquivamento. Como sempre frisei, ninguém está acima da lei, por tal razão, disponho-me a prestar qualquer esclarecimento que se vislumbre necessário sobre os fatos acima. Contudo, causa-me perplexidade e indignação que tal investigação, baseada em relato inverídico de suposto lavador profissional de dinheiro, e que já havia sido arquivada em 2018, tenha sido retomada e a ela dado seguimento pela atual gestão da Procuradoria-Geral da República logo após a minha saída, em 22/04/2020, do Governo do Presidente Jair Bolsonaro.

Lamento, outrossim, que mais uma vez o nome de um amigo seja utilizado indevidamente para atacar a mim e o trabalho feito na Operação Lava Jato, uma das maiores ações anticorrupção já realizadas no Brasil.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Casamento Comunitário On-line 2021 terá plantão presencial para inscrições neste sábado

Bolsonaro anuncia PL que regulamenta exploração de terras indígenas

Cinco pessoas da mesma família são presas sob suspeita de espancar e matar criança

Com cruzamento de sinais de celular, PF indicia Chinaglia e Cunha por corrupção em caso da Odebrecht

Fiscalização fecha 12 estabelecimentos que descumpriram horário de fechamento

Justiça derruba liminar que obrigava planos de saúde a cobrir teste de coronavírus