Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Milícias do Rio de Janeiro já oferecem serviços como aterros e consultas médicas

Postado em: 27/04/2019

Compartilhe esta notícia:

Folhapress

A queda de dois prédios na Muzema, no dia 12 de abril, escancarou ainda mais para o Brasil o crescimento de negócios paralelos ou imobiliários das milícias no Rio de Janeiro. Os imóveis que desabaram estavam irregulares, e a polícia suspeita de que não só ele, mas centenas de outros tenham o envolvimento dos milicianos.

Fonte de renda primária das milícias, a venda de segurança à população há muito deixou de ser o principal sustentáculo financeiro de tais grupos. A exploração de serviços como transporte alternativo, venda de gás e acesso à tevê e internet por assinatura também ficou para trás.

Os negócios se expandiram, e há espaço para venda não apenas de imóveis, mas também cigarros, taxas de pesca, consultas em hospitais, serviços de peões-de-obras, barris de chope adulterados, seguros de carros e até lixo.

Em comunidades da zona oeste, os milicianos dominam o mercado de cestas de alimentação com a venda de carnes comercializadas a preços bem menores do que os praticados no mercado.

Em Rio das Pedras, a reportagem encontrou frangos assados inteiros sendo vendidos em padarias por R$ 12, menos da metade do preço que normalmente é encontrado. Questionado sobre a procedência, o dono do estabelecimento disse que o animal “é de um fornecedor local”, mas não quis prolongar a conversa.

“Só Deus sabe onde são produzidas essas carnes. São linguiças, carnes e tudo o mais onde não há como saber onde são processadas, se estão sendo estocadas de forma correta para o consumo humano, não se sabe a validade, o tempo que está em exposição e em que condições está sendo exposta”, disse José Claudio Souza Alves, sociólogo que estuda as milícias ha 26 anos, autor do livro “Dos Barões ao extermínio: a história da violência na Baixada Fluminense” e professor de sociologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

O setor de bebidas e cigarros é outro que está em domínio das milícias. Em julho, a Polícia Civil prendeu 12 milicianos acusados de trazer cigarro contrabandeado do Paraguai. Só com essas vendas, o faturamento do bando superava R$ 1 milhão por mês.

Em novembro, a polícia apreendeu barris de chope adulterados que eram revendidos na mesma região. Em vários deles, os comerciantes eram obrigados a vender os produtos dos milicianos.

“A notícia desses grupos paramilitares, vulgarmente denominados de milicianos, começou a surgir depois que o transporte alternativo se instaurou, cresceu e começou a ser uma fonte de lucro muito grande. O que gerou, em razão do volume arrecadado, um poderio muito grande e brigas, porque onde há muito dinheiro envolvido começa a gerar brigas”, relatou o promotor do Ministério Público Estadual, Jorge Magno, em oitiva para CPI das Milícias.

Há relatos também de taxas por mototáxis -muito usados em comunidades mais humildes do Rio-, criação de empresas de proteção e seguro a automóveis, revenda de água, comércio ilegal de camarões fora da época de produção, aterros clandestino para a colocação de lixo e outros.

Os milicianos constroem aterros e depois enterram o lixo de quem pagar. O preço médio é de R$ 1 mil por caminhão. Os aterros também são abordados em investigação do Ministério Público. O órgão pede que a Justiça determine que o município “adote medidas necessárias e suficientes de fiscalização para impedir qualquer movimentação adicional de terra, qualquer lançamento de aterro”.

Em 2008, a CPI das Milícias já alertava para o crescimento dos comércios paralelos.

Na ocasião, foi apontado que o lucro mensal da maior milícia, a Liga da Justiça, de Campo Grande, era de cerca de R$ 2 milhões apenas com a exploração desses serviços. O transporte alternativo era a principal fonte de recursos financeiros dos milicianos.

Dez anos depois, segundo o MP, o faturamento das milícias apenas com transporte está mais que dez vezes maior, chegando aos R$ 27 milhões.

Em Itaboraí, na região metropolitana, existem casos de controle da contratação de trabalhadores braçais. A milícia atua como mediadora entre eles e as empreiteiras e cobra taxas. Semanalmente, os homens pagam para permanecerem trabalhando.

Há pescadores que também sofrem com as milícias, que exigem deles uma “licença”. Eles ameaçam apreender as redes dos pescadores. E então exigem dinheiro para que eles continuem trabalhando.

Em Bonsucesso, na zona norte, o poder dos milicianos chegou ao setor de saúde e passou a controlar consultas e exames e a receber dinheiro das pessoas para ter acesso aos hospitais. Em fevereiro, uma equipe do Ministério da Saúde foi ameaçada durante visita a um hospital da região.

Os imóveis irregulares são outro empreendimento dos milicianos. Na Muzema, é possível encontrar apartamentos por preços variados. Em uma cobertura com mais de 100 m², o valor alcança R$ 280 mil, segundo um dos moradores do condomínio. Em outros, de 40 m², há relatos de quem pagou R$ 40 mil. Os valores podem ser em dinheiro, parcelamento ou troca.

Em ação civil pública aberta neste ano, e ao qual a reportagem teve acesso, o Ministério Público do Rio de Janeiro analisou a atuação imobiliária das milícias na região.

“É público e notório que quando o poder público, em tese competente, omite-se deliberadamente no exercício do seu poder-dever de polícia administrativa de fiscalizar as normas de uso e ocupação do solo, e tantas outras, organizações criminosas passam a exercer tal poder, regulando a vida e a conduta dos cidadãos de forma anômala, abusiva, impositiva e extraordinariamente lucrativa para o grupo criminoso paramilitar”, escreveu o promotor de Justiça, Carlos Frederico Saturnino, na ação.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sorocaba ganhará novo terminal de ônibus no Vitória Régia

Americana é encontrada morta em Paraty; polícia investiga

Suspeito de ser um dos “principais operadores de fraudes bancárias” é preso

Bolsonaro diz que lei de abuso de autoridade terá quase 20 vetos

Equipes do zoológico tentam resgatar mergulhão com lacre preso no bico

Globo perde participação em verba oficial de publicidade sob Bolsonaro